Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 07/12 às 10h13min

Com indefinição sobre reforma, dólar sobe e contrato de janeiro entra em leilão

O dólar avança desde a abertura da sessão desta quinta-feira (7) com a dúvida persistente sobre a votação da reforma da Previdência neste ano e pressionado pela valorização externa da moeda americana. Mais cedo, a subida abrupta do dólar janeiro de 2018 até R$ 3,290 fez o mercado futuro entrar em leilão.
Isso aconteceu porque a variação entre uma cotação e a taxa anterior ficou acima da oscilação máxima permitida pela Bolsa, explicou um operador de uma corretora de câmbio. Depois disso, o dólar de janeiro voltou a ser negociado e, pouco antes do fechamento deste texto, renovou sua máxima intraday, aos R$ 3,2915 (+1,48%).
Lá fora, a demanda pela moeda norte-americana tem como pano de fundo expectativas de que líderes dos Partidos Republicano e Democrata possam votar nesta quinta-feira um projeto de lei no Congresso que manteria as agências federais dos Estados Unidos funcionando até 22 de dezembro, uma maneira de dar mais tempo para a resolução do impasse em relação ao Orçamento.
A medida tem o apoio da Casa Branca. Estão no radar também as negociações em torno de projeto conjunto de reforma tributária pela Câmara e Senado norte-americano, além do relatório de empregos (payroll), que será divulgado na sexta-feira.
Às 9h55min, o dólar à vista subia 1,24%, aos R$ 3,2740. O dólar futuro de janeiro estava em alta de 1,17%, aos R$ 3,2815.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia