Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

alimentos

06/12/2017 - 12h27min. Alterada em 06/12 às 12h39min

Cesta básica de Porto Alegre cai em novembro, mas segue a mais cara do país

Variação de preços nos produtos in natura, como a banana, contribuiu para a queda no custo da cesta

Variação de preços nos produtos in natura, como a banana, contribuiu para a queda no custo da cesta


GILMAR LUÍS/ARQUIVO/JC
O preço da cesta básica de Porto Alegre apresentou queda de 0,61% no mês de novembro, passando de R$ 446,87 em outubro para os atuais R$ 444,16. No ano, a cesta registra queda de 3,24% e retração de 5,30% em 12 meses. Apesar da queda, o conjunto de alimentos na capital gaúcha segue sendo o mais caro do País entre as capitais pesquisadas, que já havia sido o mais alto em outubro.
De acordo com o Dieese, a queda foi puxada pelos produtos in natura como banana (-5,28%) e tomate (-2,65%), além da carne (-0,55%), produto de maior peso na cesta. Em sentido inverso, registram alta na avaliação mensal alimentos como a batata (12,69%), o óleo de soja (2,28%), a farinha de trigo (0,79%), o feijão (0,56%). O pão foi o único item que não registrou variação de preço em novembro (0,00%).
No país, o custo do conjunto de alimentos essenciais apresentou queda em 17 das 21 cidades onde o Dieese realiza a Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos. As retrações mais intensas foram registradas no Rio de Janeiro (-3,25%), Belém (-2,26%) e Brasília (-2,12%). No Nordeste, 4 cidades tiveram elevação no valor da cesta: Aracaju (0,21%), Maceió (0,44%), Recife (0,58%) e Natal (0,96%).
Seguidas de Porto Alegre, com a cesta mais cara (R$ 444,16), vieram as cidades de São Paulo (R$ 423,23) e Florianópolis (R$ 415,00). Os menores valores médios foram observados em Salvador (R$ 315,98), João Pessoa (R$ 324,90) e Recife (R$ 327,85).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia