Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 04/12 às 20h26min

Dow Jones renova recorde, mas ações de tecnologia pesam no S&P 500 e no Nasdaq

O índice Dow Jones reagiu bem à aprovação de um projeto de reforma tributária nos Estados Unidos pelo Senado americano, mas uma forte queda nos papéis de tecnologia limitou os ganhos e fez com que os outros indicadores de ações fechassem no terreno negativo nesta segunda-feira (4).
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,24%, aos 24.290,05 pontos, e renovou máxima histórica de fechamento. Enquanto isso, o S&P 500 recuou 0,11%, aos 2.639,44 pontos; e o Nasdaq cedeu 1,05%, aos 6.775,37 pontos.
Depois que o Senado americano aprovou o plano tributário elaborado pelos senadores republicanos na madrugada de sexta-feira para sábado, os investidores reagiram com forte impulso nesta segunda-feira, fazendo com que, no início do pregão, o Dow Jones conseguisse ficar acima de 1% durante bom tempo. No entanto, uma forte queda vista nas ações de gigantes de tecnologia fez com que os ganhos nos índices acionários americanos fossem limitados.
A Câmara e o Senado ainda precisam conciliar as versões concorrentes do plano tributário, algo que os líderes republicanos esperam fazer até o Natal. O corte no imposto corporativo pode estimular o crescimento dos lucros das empresas e ajudar a manter o longo rali visto nos mercados de ações dos EUA, disseram investidores e analistas. "Obviamente, para as empresas, é uma conquista. É improvável que ele altere materialmente a trajetória de crescimento, mas é provável que altere materialmente o crescimento dos lucros", afirmou o gerente de portfólio da Lazard Asset Management, Ronald Temple.
Os bancos, que estariam entre os maiores beneficiários de cortes nos impostos, continuaram a reagir positivamente: o J.P.Morgan subiu 2,06%, o Citigroup avançou 2,11% e o Wells Fargo ganhou 2,12%. Entre as ações de tecnologia, lideraram as perdas a Microsoft (-3,77%), a Amazon.com (-2,44%) e o Facebook (-2,07%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia