Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 04/12 às 19h48min

Petróleo cai em meio a preocupações com atividade crescente do setor nos EUA

Os contratos futuros do petróleo fecharam em queda pela primeira vez em três sessões, pressionados por preocupações com o aumento das atividades do setor nos Estados Unidos.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para janeiro caiu US$ 0,89 (1,56%) nesta segunda-feira (4), e fechou a US$ 57,47 por barril. Já na IntercontinentalExchange (ICE), em Londres, o Brent para fevereiro caiu US$ 1,28 (-2,00%), a US$ 62,45 o barril.
Na última sexta-feira, a Baker Hughes reportou o segundo avanço semanal seguido no número de poços e plataformas em atividades nos EUA, que subiu 2, para 749. Na comparação anual, o número representa alta de 272.
Juntamente com as manifestações de preocupação com o aumento da produção de petróleo dos EUA pelo Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), os dados estão ofuscando a decisão da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) de estender o acordo de corte de produção para impulsionar os preços dos contratos.
"A menos que a demanda por petróleo suba inexplicavelmente nos próximos meses, será muito difícil para o WTI avançar significativamente para além dos US$ 60 por barril", disse Tyler Richey, da Sevens Report.
As preocupações com o aumento das atividades nos EUA não foram atenuadas nem mesmo pela garantia do ministro do Petróleo da Arábia Saudita, Khalid al-Falih, de que a Opep tem a intenção de continuar cumprindo o acordo. "O mercado continua preocupado que o aumento das atividades nos EUA seja um desafio para esse objetivo", disse Robbie Fraser, analista de commodity da Schneider Electric.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia