Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Alterada em 01/12 às 16h21min

Intenção de consumo das famílias gaúchas tem alta de 16,6% em novembro

A intenção de consumo das famílias gaúchas teve alta em novembro, crescendo 16,6% sobre o mesmo período de 2016 e alcançando 74,8 pontos. O indicador registrou avanço em todos os componentes, com exceção da avaliação quanto ao emprego atual. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (1º) pela pesquisa Intenção de Consumo das Famílias (ICF) da Fecomércio-RS.
Em nota, a entidade informou que, apesar de o processo de recuperação na intenção de consumo ter se estabilizado, ainda é prematuro afirmar que este ciclo tenha se encerrado, já que a percepção das famílias em relação à renda e ao nível de consumo permanece em trajetória ascendente.
"Apesar da recuperação do mercado de trabalho, a intenção de consumo das famílias deverá atingir níveis otimistas quando houver uma retomada na geração de postos de trabalhos formais", afirma o presidente da Fecomércio-RS, Luiz Carlos Bohn. O indicador que mede a situação do emprego atual registrou 103,2 pontos em novembro, mantendo-se em nível otimista pelo décimo mês seguido, mas fechandoem queda de 2,4% na comparação com novembro de 2016.
O resultado otimista, segundo a pesquisa, se deve mais à contratação de temporários do que com uma recuperação mais robusta do mercado de trabalho. Ainda no âmbito do mercado de trabalho, o componente sobre a situação de renda atual cresceu 18,9% na comparação interanual . Aos 77,2 pontos, a melhora na percepção foi puxada principalmente pelo baixo nível da inflação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia