Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 05 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Acontece

Notícia da edição impressa de 06/12/2017. Alterada em 05/12 às 17h54min

Mostra de artesanato indígena é aberta no Memorial do RS

Cestas do povo Karajá na exposição

Cestas do povo Karajá na exposição


/ROSSANNA PRADO/DIVULGAÇÃO/JC
O artesanato contemporâneo de povos indígenas da Amazônia brasileira, que compõe o acervo do Museu Antropológico do Rio Grande do Sul (Mars), pode ser apreciado no segundo andar do Memorial do RS (Praça da Alfândega, 1.020), a partir de hoje. Até 28 de janeiro, com entrada franca, de terça a sábado, das 10h às 18h; e domingos e feriados, das 13h às 17h, a exposição presta um tributo à permanente luta de nossos povos indígenas em defesa de seus direitos e sua dignidade.
As peças de etnologia indígena revelam a destreza manual e a sensibilidade artística de diversos povos distribuídos pela Amazônia brasileira e região Centro-Oeste do País: Roraima (Wapixana, Yanomami e Wai-Wai), Tocantins (Karajá) e Maranhão (Índios Canela). Algumas foram doadas pela professora Roseli Bernardo Silva Santos, em nome Governo de Roraima e da Secretaria de Estado do Índio, quando esteve em Porto Alegre como palestrante no VIII Seminário Povos Indígenas e o Estado - promovido pelo Museu Antropológico em outubro de 2014.
Em dezembro daquele ano, o Museu de Ciências e Tecnologia da Pucrs transferiu para o Mars, em caráter definitivo, parte considerável de seu acervo de etnologia indígena, que corria risco de deterioração. À medida que avança o trabalho de identificação e catalogação, as peças valorizam o acervo da instituição (fundada em 1978), vinculada ao Estado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia