Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 07 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 07/12/2017.
Alterada em 07/12 às 19h21min
COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Digital

Capital terá shopping de delivery

Andreas Blazoudakis Divulgação Movile

Andreas Blazoudakis Divulgação Movile


/MOVILE/DIVULGAÇÃO/JC

Imagine um shopping de delivery, com as cozinhas de diferentes restaurantes reunidas em um mesmo espaço físico, lado a lado, produzindo de pizza a comida japonesa para serem entregues aos consumidores. Pois esse é o modelo de negócios inovador que Porto Alegre vai ganhar em breve. O projeto, chamado de Delivery Center, está sendo capitaneado por Andreas Blazoudakis, um dos maiores empreendedores brasileiros.
Ele participou da criação de 17 startups, entre elas, um dos primeiros unicórnios brasileiros, a Movile, avaliada em mais de US$ 1 bilhão e que conta, no seu portfólio, com empresas como o aplicativo PlayKids e o iFood. "Sou gaúcho e escolhi a minha cidade para fazer esse lançamento contundente", afirma. Serão quatro centrais em Porto Alegre - 100 restaurantes já confirmaram que terão uma unidade de entrega no espaço. Tudo será gerenciado pelo time do Delivery Center, que, por meio de uma central única, irá coordenar os pedidos feitos por telefone e aplicativo, e a logística de entrega.
Em suas dark kitchens - cozinhas que as pessoas não frequentam -, cada restaurante se focará apenas em produzir os pedidos. "As nossas estruturas serão uma máquina de entrega", diz Blazoudakis, que foi palestrante da última edição do ano do Mesas TI, evento realizado pelo Seprorgs. O executivo não revela ainda o investimento no Delivery Center, mas afirma que será bem representativo. A inauguração ainda depende da liberação das licenças. No início do ano, a expectativa é poder ter uma projeção mais exata do início.
Mais eficiência nas entregas
O modelo de entrega de comidas no Brasil, atualmente, é ineficiente, demorado e caro, afirma Blazoudakis, ressaltando que, com o Delivery Center, os consumidores terão um custo menor e receberão seus pedidos com mais agilidade. Sem falar que a empresa pretende dizer o tempo exato que levará para o pedido chegar. Outra vantagem é que, em apenas uma ligação, será possível fazer o pedido para vários restaurantes. O Delivery Center vai se remunerar cobrando uma taxa dos restaurantes por venda efetivada.
Inspiração na China
Enquanto boa parte do mercado de tecnologia olha para os Estados Unidos, Blazoudakis se inspira na China, país que está três anos na frente do Brasil quando se trata de modelos de negócios baseados na internet. Para lançar o projeto do Delivery Center, ele fez uma imersão no país. "As empresas de delivery de comida da China têm uma performance 30 vezes maior que as do Brasil. Lá, têm players que fazem 9 milhões de entregas por dia, enquanto, por aqui, entregamos menos do que isso por mês", analisa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Patricia Knebel

Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.