Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 04 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Notícia da edição impressa de 04/01/2018. Alterada em 04/01 às 10h21min

Engie assume operação das usinas Miranda e Jaguara

Jaguara (foto) e Miranda estavam até o dia 28 de dezembro operando em compartilhamento com a Cemig

Jaguara (foto) e Miranda estavam até o dia 28 de dezembro operando em compartilhamento com a Cemig


/ENGIE/DIVULGAÇÃO/JC
A Engie Brasil Energia assumiu na semana passada a operação das usinas hidrelétricas Jaguara (424 MW) e Miranda (408 MW), ambas no estado de Minas Gerais e adquiridas em leilão por R$ 3,5 bilhões. Arrematadas em setembro, as duas usinas estavam até o dia 28 com a operação das usinas compartilhada com a Cemig.
A aquisição dessas duas usinas representa aumento de capacidade instalada em energia renovável de base hidrelétrica, que é o forte da Engie no Brasil e, portanto, em linha com a estratégia de crescimento sustentável da empresa.
Para o consumidor final, a troca na gestão não trará mudanças, já que a energia gerada pelas usinas é entregue ao Sistema Interligado Nacional por meio de empresas de transmissão e distribuição. "Daremos continuidade na excelência operacional das duas hidrelétricas", afirma o diretor-presidente da Engie Brasil Energia, Eduardo Sattamini. "Minas Gerais é um estado importante para o Brasil e onde a Engie já está presente com suas empresas de serviços de energia e de engenharia", observa Sattamini.
Por sua vez, o gerente da Regional Minas Gerais da Engie, Rogerio Suematsu, destaca a inserção da empresa na região. "Queremos ser parceiros do desenvolvimento sustentável das comunidades vizinhas, que nos receberam da melhor maneira desde a operação compartilhada."
Na semana passada, o grupo italiano Enel Green Power e empresas controladas pelo grupo Engie receberam autorização para iniciar a operação comercial de sete usinas de geração de energia solar na região Nordeste, segundo despachos da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) publicados no Diário Oficial da União. As usinas estão localizadas nos estados do Rio Grande do Norte e da Bahia.
Presente em cerca de 70 países, a Engie conta com 150 mil colaboradores em todo o mundo e obteve receitas de € 66,6 bilhões em 2016. Cotado nas bolsas de Paris e Bruxelas, o grupo está representado nos principais índices financeiros.
No Brasil, a Engie é a maior produtora privada de energia elétrica no País, operando uma capacidade instalada de 11.059 MW em 31 usinas em todo o Brasil, o que representa cerca de 6% da capacidade do País. O grupo possui 90% de sua capacidade instalada no Brasil proveniente de fontes limpas, renováveis e com baixas emissões de gases de efeito estufa, posição que tem sido reforçada pela construção de novas eólicas no Nordeste e por uma das maiores hidrelétricas do País, Jirau (3.750 MW), localizada no rio Madeira e que foi inaugurada em dezembro de 2016.
O grupo também atua na área geração solar distribuída e oferece serviços relacionados à energia, engenharia e integração de sistemas, atuando no desenvolvimento de sistemas de telecomunicação e segurança, iluminação pública e mobilidade urbana para cidades inteligentes, infraestruturas e a indústria de óleo e gás. Contando com 2,1 mil colaboradores, a Engie teve no Brasil em 2016 um faturamento de R$ 6 bilhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia