Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Energia

Notícia da edição impressa de 07/12/2017. Alterada em 06/12 às 16h42min

Eletrobras tira poder de empresas controladas

Decisões de investimento deverão passar pelo crivo do conselho

Decisões de investimento deverão passar pelo crivo do conselho


/JOÃO MATTOS/arquivo/JC
As subsidiárias das Eletrobras vão perder autonomia e terão de cumprir um limite para aprovar novos gastos. Qualquer investimento com valor superior a R$ 30 milhões terá de ser aprovado pelo Conselho de Administração da companhia. A regra foi aprovada durante assembleia para revisão do estatuto da companhia. "Isso significa que qualquer decisão de investimento deve ser aprovada pelo conselho", afirmou o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior.
A mudança reforça a iniciativa da nova direção da Eletrobras, que prepara a privatização da estatal. O objetivo é retomar o controle sobre as subsidiárias, que hoje são alvo de influências políticas. Empresas como Chesf, Furnas, Eletronorte e Eletrosul têm sido alvo de disputa entre partidos políticos e lideranças regionais em seus estados. Por essa razão, no setor elétrico, elas são ironicamente apelidadas de "descontroladas".
Atualmente, a Eletrobras tem 16 controladas e 178 Sociedades de Propósito Específico (SPEs), empresas nas quais a companhia tem participação minoritária, criadas para a exploração de usinas e linhas de transmissão.
O novo estatuto da estatal tem regras e práticas claras que serão submetidas a todas as empresas do grupo. Uma das principais são os requisitos para nomeação de diretores e conselheiros para a empresa, algumas das quais previstas na Lei das Estatais. Políticos e familiares até o terceiro grau, líderes sindicais, fornecedores de bens e serviços e pessoas com conflito de interesses estão vetados para cargos de administração.
Qualquer pessoa que tenha participado de alguma atividade política nos últimos 36 meses não poderá ocupar cargos na diretoria e conselho da Eletrobras. O critério obrigatório será formação acadêmica, reputação ilibada e experiência profissional reconhecida e comprovada. Todos serão submetidos à avaliação do comitê de elegibilidade e pessoas. Aqueles que já ocupam cargos e não se enquadram nas novas regras não serão reconduzidos ao término de seus mandatos.
Ferreira Jr. reconhece que havia muita diferença na forma de gestão de cada uma das empresas. Em alguns casos, segundo ele, o poder dos diretores das controladas era superior ao da diretoria da holding. "É óbvio que isso é a raiz clara de um conjunto de problemas que tivemos", disse.
O novo estatuto também elevou o número de conselheiros da Eletrobras de nove para 11 integrantes, dos quais no mínimo 30% - ou seja, três - serão independentes, conforme as regras do Novo Mercado. Ferreira Jr. destacou ainda a redução no número de gestores da Eletrobras, de cerca de 2,2 mil para 1.313. Cerca de 75% dos dirigentes foram substituídos desde o ano passado e já atendem às novas exigências da companhia.
Os maiores críticos à privatização da Eletrobras são grupos que querem manter seus privilégios e continuar a exercer influência política sobre a empresa, avalia Ferreira Jr. "Muitas pessoas questionam a privatização, mas não veem que há basicamente dois grupos de pessoas trabalhando contra esse processo: os sindicatos e alguns políticos", disse. "Os sindicatos brigam para manter seus privilégios, e alguns poucos políticos exercem influência em uma companhia da qual eles não têm sequer uma ação", afirmou.
O executivo disse que o fim de privilégios e influências na Eletrobras será positivo para o governo e para a sociedade brasileira. "Temos 513 deputados e 81 senadores. Eles têm de representar os brasileiros. É evidente que retirar privilégios e influências políticas será bom para uma empresa em que o governo ainda será o maior acionista", disse. Na privatização, a fatia da União na Eletrobras será reduzida de 63% para 40%.
Para Ferreira Jr., a privatização da Eletrobras vai proporcionar mais investimentos, empregos e lucros para a companhia. Isso vai gerar mais dividendos para os acionistas e elevar a arrecadação de impostos da União. "Não é possível que se possa ignorar esses benefícios", afirmou.
 

Itaipu gera recorde de 8,8 milhões de MWh em novembro

Produção ocorre no momento em que o quadro climático no País é preocupante

Produção ocorre no momento em que o quadro climático no País é preocupante


/EVARISTO SA/AFP/JC
A geração de energia pela usina hidrelétrica de Itaipu em novembro foi a maior para o mês na história. Em todo o mês, Itaipu gerou 8,836 milhões de megawatts-hora (MWh), 535 mil a mais do que o recorde anterior de novembro, registrado em 2016.
Em nota, o diretor-geral brasileiro de Itaipu, Luiz Fernando Leone Vianna, considerou que o resultado é importante, porque contribui para a geração de energia no Brasil num momento em que a situação de chuvas é desfavorável em regiões onde se localizam grande número de hidrelétricas, como o Sudeste.
"Com o resultado de novembro, Itaipu contribui com o setor elétrico brasileiro, num momento de extrema dificuldade, tendo em vista que o País vive, neste ano, aquela que é considerada a pior estiagem de sua história", disse o executivo.
Na região Sul, no entanto, tem chovido acima da média. No caso do estado do Paraná, as chuvas localizadas estão permitindo que Itaipu opere com o reservatório dentro da faixa de normalidade, conforme informou a usina.
A produção acumulada de Itaipu neste ano, até novembro, chega a 86,631 milhões de megawatts-hora, ante 96,631 milhões de MWh no mesmo período de 2016. Itaipu afirma, no entanto, que o ano passado foi excepcional, com condições que permitiram produzir a maior geração de sua história. Neste ano, a expectativa é de que Itaipu deverá ter a quarta ou quinta melhor produção.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia