Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Política

CORRIGIR

partidos

Notícia da edição impressa de 14/11/2017. Alterada em 13/11 às 21h32min

Bruno Araújo pede demissãodo Ministério das Cidades

O ministro das Cidades, o tucano Bruno Araújo, pediu demissão do governo Michel Temer na tarde desta segunda-feira. Ele enviou ao presidente sua carta de exoneração antes de cerimônia no Palácio do Planalto.
Na carta, ele agradeceu a confiança de Temer no PSDB e disse que não há mais na sigla apoio para que o ministro continue no cargo.
Araújo disse à reportagem que tomou a decisão por entender que "faltou firmeza ao PSDB" para que ele continuasse no cargo, e que sua participação no ministério dependia do respaldo da sigla.
"Não havia mais apoio no PSDB com tamanho suficiente para isso. Tenho uma vida política e partidária. Retorno à Câmara para cumprir outras tarefas", afirmou. Araújo é deputado federal por Pernambuco e estava no governo desde o início da gestão Temer, em maio de 2016.
Araújo aproveitou a carta de demissão para fazer um elogio ao governo. "Tenho a convicção, senhor presidente, que a serenidade da história vai reconhecer no seu governo resultados profundamente positivos", escreveu.
O tucano é o primeiro ministro do PSDB a pedir demissão diante das movimentações da cúpula do partido para desembarcar do governo Temer. Além dele, há outros três nomes da sigla na Esplanada dos Ministérios: Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), Aloysio Nunes (Relações Exteriores) e Luislinda Valois (Direitos Humanos).
Os cargos ocupados pelo PSDB são cobiçados por outros partidos da base aliada de Temer - em especial o "centrão".
 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia