Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 01 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 01/12/2017. Alterada em 30/11 às 21h31min

Capitalismo gera desigualdade?

Felipe Morandi
O relatório "Um ajuste justo", elaborado pelo Banco Mundial acerca dos gastos do Brasil, é bastante claro em suas conclusões. A seção que trata da desigualdade gerada pelo peso da máquina estatal expõe a dura realidade brasileira. Aqui, os servidores públicos federais recebem uma média de 67% a mais que os funcionários da iniciativa privada, considerando equivalentes níveis de formação e experiência. Já os servidores estaduais recebem em torno de 31% a mais. O que causa espanto é a colossal diferença da média mundial de 16%.
Até mesmo países que contam com uma estrutura pública pesada, como França e Portugal, foram ultrapassados pelo Brasil no ranking de quem gasta a maior fatia do PIB apenas para manter a estrutura burocrática do Estado. Em 2015, o gasto com salário dos servidores públicos chegou a incríveis 13% do PIB. Se compararmos essa triste realidade à do Chile, perceberemos que o gasto com o funcionalismo público no Brasil representa mais que o dobro do que no nosso vizinho de continente. Outro fator impressionante é o fato de 77% dos servidores públicos figurarem entre os 40% mais ricos da população brasileira. Dentre os 20% mais ricos, vemos 54% dos servidores. Aos que bradam que os empresários e capitalistas geram desigualdade, será mesmo essa a realidade no Brasil? É inegável que pagamos altíssima carga tributária no Brasil, assim como diversos outros países também o fazem. Podemos, porém, concluir que pagamos muito para manter a estrutura burocrática, enquanto tais países expropriam altos tributos para entregar muito mais aos indivíduos da sociedade. É urgente reavaliarmos o setor público como um todo e propormos ideias renovadas para tal estrutura ultrapassada e fracassada. E se diminuirmos o Estado, suas atribuições e seus custos?
E se mantivermos o aparato estatal focado apenas no essencial, como saúde, educação e segurança? Devemos clamar por maior liberdade individual e menor burocracia estatal!
Empresário e associado do IEE
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Daniel Pereira DAlascio 01/12/2017 14h39min
O Brasil tem menos funcionários públicos que Estados Unidos que é o berço do capitalismo, além, da Alemanha, Itália e Austrália. Portanto é uma falácia a história de que a máquina pública está inchada. Infelizmente os empresários Brasileiros é que são atrasados, e tratam de pressionar os péssimos políticos brasileiros a diminuir o estado, já que só os pobres dependem do estado. Também falta a nossa elite um pouco de patriotismos, para pensar em projeto de nação, e não só no seu lucro cada vez maior. nDaniel Pereira DAlascionEngenheiro Eletricistan