Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 30 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 30/11/2017. Alterada em 29/11 às 22h26min

Uma avenida para Lupicínio

Nilton Santos
Os porto-alegrenses estão cansados da briga entre vereadores de esquerda, centro e direita sobre qual nome deve ser dado à avenida de entrada de Porto Alegre, entre a ponte do Guaíba e a Rodoviária: a designação original, Castelo Branco, em homenagem ao primeiro presidente da República do governo militar; ou da Legalidade e da Democracia - fruto de projeto aprovado em 2014 pela Câmara de Vereadores e promulgado pelo então presidente da casa, vereador Mauro Pinheiro (ex-PT, hoje Rede), após silêncio do então prefeito José Fortunati. Recentemente, o ti-ti-ti da troca de nome voltou às manchetes dos jornais e noticiosos das rádios, TVs e da web, já que o Tribunal de Justiça determinou o retorno ao nome de batismo. Para dar fim ao bate-boca, acho que a melhor solução é dar à avenida o nome do cantor e compositor gaúcho e de renome internacional, mestre Lupicínio Rodrigues. Sei que já existe uma praça no bairro Menino Deus com seu nome, mas seria importante dar o nome a uma avenida de grande porte, que vai perpetuar o orgulho e o respeito que os gaúchos têm daquele que marcou, com sua música, a vida de muitas pessoas. Lupe, como era chamado desde pequeno, nasceu em Porto Alegre, em 1914, e faleceu em 1974. Compôs marchinhas de carnaval e sambas-canção, músicas que expressam muitos sentimentos, principalmente a melancolia por um amor perdido.
Foi o inventor do termo dor de cotovelo. Nunca saiu de Porto Alegre, a não ser por uns meses, em 1939, para conhecer o ambiente musical carioca. Torcedor do Grêmio, compôs o hino tricolor, em 1953: Até a pé nós iremos/para o que der e vier/mas o certo é que nós estaremos/com o Grêmio, onde o Grêmio estiver. Seu retrato está na Galeria dos Gremistas Imortais, no salão nobre do clube. Deixou cerca de uma centena e meia de canções editadas. A ideia foi lançada. Agora, é esperar que algum vereador da Capital gaúcha encaminhe o projeto de lei, e que todos, independentemente de ideologias, aprovem a homenagem ao grande porto-alegrense Lupicínio Rodrigues.
Jornalista e cientista político
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
José Carlos Correa 30/11/2017 13h28min
Finalmente tiveram uma ideia excelente. Sempre achei aquela via muito mal denominada.