Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

Sustentabilidade

Alterada em 10/11 às 17h23min

Chefe da ONU anuncia ida à COP 23 e pede que mundo acelere ação climática

Agência Brasil
O secretário-geral da ONU, António Guterres, anunciou a jornalistas nesta sexta-feira, em Nova Iorque, que irá à Ásia e à Europa em uma viagem que inclui sua participação na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, COP 23, realizada em Bonn, na Alemanha. Para Guterres, o encontro acontece num "momento crucial", já que nas últimas semanas uma série de relatórios fizeram soar sinais de alerta sobre o clima mudial. A informação é da ONU News.
O secretário-geral citou os últimos dados divulgados pela Organização Mundial de Meteorologia (OMM), que mostraram um "crescimento perigoso do dióxido de carbono na atmosfera terrestre nas últimas sete décadas, chegando a nova alta em 2016". Ele ressaltou que as concentrações de CO2 na atmosfera são agora as maiores em 800 mil anos.
Guterres também mencionou o relatório da agência ONU Meio Ambiente que mostrou ser provável que os níveis de concentração de gases de efeito estufa na atmosfera em 2020 sejam tão altos que seja "extremamente difícil" alcançar as metas de redução do Acordo de Paris para 2030.
Por último, ele citou a última Avaliação Nacional do Clima dos Estados Unidos, que mostra que as temperaturas atuais são as "mais quentes da história da civilização moderna". O documento concluir ser "extremamente provável" que atividades humanas sejam a "causa dominante" dessas mudanças.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia