Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça

Notícia da edição impressa de 14/11/2017. Alterada em 13/11 às 22h33min

Defesa de Marin diz que era Del Nero quem mandava em sua gestão

A defesa de José Maria Marin, ex-presidente da CBF preso nos Estados Unidos suspeito de participar de esquema de corrupção na Fifa, tenta afirmar que o ex-dirigente ocupava o cargo de maneira ilustrativa. A ideia é convencer a Justiça norte-americana de que quem realmente mandava na entidade é o atual presidente, Marco Polo Del Nero.
Responsável pela defesa de Marin em Nova Iorque, onde é julgado, Charles Stillman começou o primeiro pronunciamento frente aos jurados comparando seu cliente a uma criança de 18 anos que participa de um jogo de futebol só para completá-lo, sem protagonismo algum. Além disso, Stillman relembrou que Marin virou presidente da entidade por ser o vice mais velho após a renúncia de Ricardo Teixeira, que ocupou o cargo até 2012. Seu cliente, segundo o advogado, estaria no cargo apenas de maneira interina até 2015.
Como parte de seu argumento, Stillman recordou que Marin estava sempre acompanhado de Del Nero e que era o segundo que ocupava cargo no Comitê Executivo da Fifa mesmo sob a gestão de seu cliente. Tanto Marin quanto Del Nero são acusados de receberem propinas em prol de empresas de marketing. O atual presidente da CBF não foi a julgamento por estar em solo brasileiro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia