Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 14/11 às 19h42min

Petróleo e reforma tributária pesam e bolsas de Nova Iorque fecham em baixa

Os mercados acionários americanos fecharam em baixa nesta terça-feira (14), com os investidores ainda com dúvidas em relação à reforma tributária nos Estados Unidos. A queda nos preços do petróleo também contribuiu para as perdas, ao puxar para baixo as ações de companhias de energia.
O índice Dow Jones fechou em queda de 0,13%, aos 23.409,47 pontos; o S&P 500 recuou 0,23%, aos 2.578,87 pontos; e o Nasdaq baixou 0,29%, aos 6.737,87 pontos.
As incertezas sobre se o governo do presidente dos EUA, Donald Trump, conseguirá produzir reformas fiscais abrangentes pesaram sobre a confiança dos consumidores, embora deva haver uma votação da alteração no sistema tributário americano nesta semana no plenário da Câmara dos Representantes. Analistas haviam creditado, em grande parte, a antecipação de cortes no imposto corporativo para abastecer grande parte dos recordes nos mercados acionários neste ano.
O movimento de queda nos preços do petróleo e de metais nesta terça-feira também contribuiu para as perdas das bolsas em Nova Iorque. Em um movimento de realização de lucros, a commodity chegou a cair mais de 2%, após a Agência Internacional de Energia (AIE) apontar desaceleração na demanda pelo óleo. Com isso, a Chevron caiu 0,26%, a ExxonMobil cedeu 0,78%, a ConocoPhillips teve baixa de 2,55% e a Chesapeake fechou na mínima, em queda de 5,06%.
O recuo de 5,89% das ações da General Electric (GE) também contribuiu, após os investidores se sentirem desapontados em relação ao plano de reestruturação da empresa anunciado no dia anterior.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia