Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 14/11 às 10h19min

Juros caem seguindo dólar e rendimento dos Treasuries, mas varejo limita ajuste

Os juros futuros operam em baixa nesta terça-feira (14) em sintonia com o dólar e as taxas dos Treasuries. Mas o ajuste é relativamente contido pelo resultado acima da mediana das vendas no varejo. Além disso, o mercado precifica a antecipação da reforma ministerial do governo, com a saída do ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB) na segunda-feira (13) que é bem recebida por favorecer o andamento da reforma da Previdência, na avaliação de alguns agentes financeiros.
Em setembro ante agosto, as vendas do comércio varejista subiram 0,50%, na série com ajuste sazonal, ficando ligeiramente acima da mediana das estimativas dos analistas consultados pelo Projeções Broadcast, positiva em 0,40%, com base no intervalo que apontava desde uma queda de 0,50% a um avanço de 2,60%.
Na comparação com setembro de 2016, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 6,4% em setembro de 2017. Nesse confronto, as projeções iam de uma expansão de 3,60% a 7,40%, com mediana de 5,80%. Também as vendas do varejo restrito acumularam crescimento de 1,3% no ano e queda de 0,6% em 12 meses.
Às 9h54min o DI para janeiro de 2019 exibia 7,24%, de 7,27% no ajuste de segunda-feira. O DI para janeiro de 2020 marcava 8,52%, de 8,58% na véspera. E o vencimento para janeiro de 2021 estava em 9,37%, de 9,44% no ajuste anterior.
No câmbio, as cotações testavam as máximas intraday: o dólar à vista caía 0,65%, aos R$ 3,2678, enquanto o dólar futuro de dezembro recuava 0,14%, aos R$ 3,2815, após tocar em máxima aos R$ 3,2820 (-0,12%).
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia