Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 14/11 às 10h05min

Dólar recua com exterior e avaliação de que troca ministerial pode ajudar reforma

O dólar opera em baixa, em linha com o viés externo ante divisas principais e algumas emergentes e ligadas a commodities. Além disso, a antecipação da reforma ministerial do governo é bem recebida, por favorecer o andamento da reforma da Previdência, na visão de alguns agentes financeiros.
O diretor da Correparti Jefferson Rugik avalia que a reforma ministerial deve trazer o "Centrão" para o jogo e possibilitar a aprovação da minirreforma da Previdência. Além disso, destaca ele, o dólar recua com o exterior, onde o foco na movimentação em torno da reforma tributária americana, como também a divulgação do PPI americano (11h30min), que tem força para mexer com o dólar se vier acima das previsões e vice-versa.
Mesmo avaliação tem o diretor da Wagner Investimentos, José Faria Júnior: "A moeda recua ante o real em linha com o viés exterior, mas também influenciada por apostas no mercado de que a reforma ministerial irá sair mais rápido, mantendo viva a esperança da reforma da Previdência ser aprovada este ano na Câmara".
Faria Jr., no entanto, chama atenção para agenda dos EUA forte nesta quarta-feira (15) com destaque para a inflação ao consumidor (CPI) e os primeiros dados de atividade do mês de novembro) em meio ao feriado nacional no Brasil.
Às 9h46min desta terça-feira (14) o dólar à vista caía 0,79%, aos R$ 3,2723, enquanto o dólar futuro de dezembro recuava 0,26%, aos R$ 3,2775.
Na Europa, a presidente do Federal Reserve, Janet Yellen, reafirmou nesta terça o compromisso da instituição por um aperto gradual na política monetária, ao descartar a possibilidade de uma elevação abrupta dos juros. Yellen falou durante evento no Banco Central Europeu (BCE) sobre comunicação da política monetária, em Frankfurt, e enfatizou a importância para os agentes do mercado de saber exatamente o rumo dos bancos centrais.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia