Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 13/11 às 20h01min

Bolsas de Nova Iorque fecham em alta apoiadas por noticiário corporativo

As principais bolsas de valores dos Estados Unidos fecharam em alta nesta segunda-feira (13), influenciadas pelo noticiário corporativo.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,07%, aos 23.439,70 pontos; o S&P 500 subiu 0,10%, para 2.584,84 pontos; e o Nasdaq avançou 0,10%, encerrando aos 6.757,60 pontos.
Relatos de ofertas de fusão e estimativas de lucro causaram oscilações nos papéis das empresas dos setores, industrial, de tecnologia e de consumo, enquanto os outros índices permaneceram perto da estabilidade.
As ações da Mattel dispararam 20,73% após o Wall Street Journal reportar que a rival Hasbro (+5,89%) fez uma proposta de aquisição que pode unir as duas maiores fabricantes de brinquedos dos EUA.
Os papéis da fabricante de chips Qualcomm subiram 3,07%, após a empresa dizer que o conselho rejeitou a proposta de aquisição de US$ 105 bilhões, pela Broadcom, que viu suas ações subirem 0,02% Essa seria a maior aquisição de uma empresa de tecnologia da história.
A General Electric caiu 7,17%, após a companhia reduzir a estimativa de lucro para 2018 e cortar os dividendos pela metade
Enquanto isso, os investidores dizem que continuariam a observar o andamento da proposta de reforma tributária em Washington. Republicanos da Câmara e do Senado divulgaram projetos diferentes que divergem em alguns aspectos importantes.
Esperanças de cortes nos impostos ajudaram as ações dos bancos, os juros dos títulos da dívida americana e o dólar, após a eleição do ano passado, embora muitos dos movimentos tenham se dissipado neste ano, enquanto os investidores digeriam notícias de impasses políticos.
"Eu acho que eventualmente vamos ver uma reforma, mas há incerteza sobre quando ela será aprovada, uma vez que o projeto do Senado é realmente diferente do da Câmara", disse Zhiwei Ren, diretor da Penn Mutual Asset Management.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia