Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Bancos

13/11/2017 - 09h58min. Alterada em 13/11 às 09h59min

Lucro líquido do Banrisul sobe 17,5% no terceiro trimestre

O Banrisul comunicou que não divulgará projeção de desempenho devido à venda de ações do governo

O Banrisul comunicou que não divulgará projeção de desempenho devido à venda de ações do governo


FREDY VIEIRA/JC
Patrícia Comunello
O lucro líquido do Banrisul somou R$ 494,6 milhões no terceiro trimestre do ano, alta de 17,5% frente ao segundo trimestre. O balanço foi publicado no site do banco nesta segunda-feira (13). Em nove anos, o resultado líquido ficou em R$ 536,7 milhões, 8,5% frente ao mesmo período de 2016. No conceito recorrente - no conceito recorrente - quandoexclui as despesas do Plano de Aposentadoria Voluntária e os efeitos fiscais - quando exclui as despesas do Plano de Aposentadoria Voluntária e os efeitos fiscais, o valor ficou em R$ 587,9 milhões, alta de 18,9% no período.
Nesta segunda, o banco também publicou fato relevante noticiado que não fará mais projeção de desempenho futuro, o chamado guidance. A razão é a previsão de venda de ações da instituição que pertencem ao governo estadual. O governo de José Ivo Sartori (PMDB) anunciou, no começo de outubro, que ofertará na bolsa de valores o capital acionário excedente ao controle. A operação, que servirá para gerar caixa para o Estado que enfrenta graves dificuldades financeiras, terá as condições divulgadas ao mercado e envolve ações ordinárias e preferenciais.
Segundo nota do banco sobre o balanço, o desempenho foi afetado pelo menor fluxo de despesas de provisão para crédito, estabilidade da margem financeira, crescimento, ainda que moderado, das receitas de tarifas e serviços e a elevação das despesas administrativas.
O patrimônio líquido atingiu R$ 6,7 bilhões em setembro de 2017, expansão de R$ 259 milhões, 4% maior em um ano. Os ativos totais apresentaram saldo de R$ 71,3 bilhões em setembro de 2017, crescimento de 5,1% em relação a setembro de 2016, ampliação proveniente, especialmente, do aumento dos depósitos.
Em setembro de 2017, o total de recursos captados e administrados registrou saldo de R$ 60,7 bilhões. Os depósitos totais alcançaram R$ 45,4 bilhões no período, com incremento de 11,2% ou R$ 4,6 bilhões em 12 meses.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia