Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 11 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

varejo

11/11/2017 - 14h50min. Alterada em 11/11 às 15h10min

Shoppings preveem aumento de 7% nas vendas de Natal, diz Abrasce

Setor de shopping centers comemora expectativa favorável

Setor de shopping centers comemora expectativa favorável


CLAITON DORNELLES/JC
Agência Brasil
A Associação Brasileira dos Shopping Centers (Abrasce) prevê alta de 7% nas vendas deste final de ano em comparação com o ano passado. O índice é resultado de pesquisa feita entre os associados em todo o país. O setor comemora a expectativa, já quem em 2016 a ampliação das vendas no período natalino foi de apenas 0,3% sobre 2015, ou seja, de estagnação.
De acordo com o levantamento, as categorias que devem ter maior influência no crescimento das vendas serão vestuário, eletroeletrônicos e calçados.
Como resultado da perspectiva de ampliação no faturamento, os lojistas preveem alta de 5% nas contratações temporárias.
Os números do ano também são positivos. O índice acumulado até setembro apontou alta de 5% nos negócios. O desempenho melhor no segundo semestre aponta que deve ser atingida a meta estabelecida para 2017, de crescimento de 5% a 7% nas vendas.
Para a direção da Abrasce, o resultado confirma a tendência de melhora consistente da economia. "A retomada gradativa da confiança do consumidor no segundo semestre deu um fôlego maior ao varejo", define Glauco Humai, presidente da associação.
Na avaliação da Abrasce, a melhora dos índices de emprego e de confiança do consumidor, aliadas à redução da taxa de juros e da inflação, também indicam 2018 melhor.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia