Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 09 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 09/11 às 21h13min

Tesouro: Brasil exercerá opção de compra do 5,875% Global 2019

O Tesouro Nacional informou nesta quinta-feira, 9, que o Brasil exercerá a opção de compra do título Global 2019 com cupom de 5,875% no mercado externo. A intenção já havia sido anunciada em 13 de outubro.
O papel é denominado em dólar e pertence à carteira da Dívida Pública Federal Externa (DPFe). A recompra será feita em 14 de novembro, retirando integralmente do mercado o título, que foi emitido em janeiro de 2009. Os papéis serão resgatados ao preço de 104,73% de seu valor de face. O valor financeiro da operação é de US$ 1,818 bilhão. Em valor de face, o valor é de US$ 1,710 bilhão.
O Global 2019 foi um dos primeiros a contar com a opção embutida de compra, chamada de Make-Whole Call, que permite que o emissor recompre o título em qualquer data por um preço predefinido. Foi a primeira vez que o Brasil exerceu esse tipo de opção de recompra. Nesse caso, o valor é calculado com base no fluxo de pagamentos remanescentes, descontados por uma taxa de referência "Todos os títulos da República em dólares emitidos no mercado internacional passaram a contar com essa opção, uma vez que sua inclusão não resulta em custos adicionais à emissão, além de conferir flexibilidade ao emissor para gerenciar seus passivos", explicou o Tesouro, em nota.
De acordo com o texto, a recompra de títulos emitidos há mais tempo e que já não representam adequadamente o crédito da República está em linha com as diretrizes do Plano Anual de Financiamento (PAF) e minimiza eventuais distorções na curva de juros e aumenta sua eficiência, dando referências de preços mais adequadas para as captações de empresas brasileiras no longo prazo. "Além disso, a operação reduz de forma relevante as maturações de curto prazo da DPFe, o que minimiza o risco de financiamento", completa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia