Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Desenvolvimento

Notícia da edição impressa de 08/11/2017. Alterada em 07/11 às 21h27min

Comissão 'desidrata' texto do PDV federal

A comissão mista que analisa a Medida Provisória (MP) que instituiu o Programa de Desligamento Voluntário (PDV) do governo federal aprovou ontem uma versão desidratada da proposta enviada pela equipe econômica. Os parlamentares retiraram dois artigos que permitiam a servidores em jornada reduzida ou em licença não remunerada o exercício de outra atividade - o que, na prática, elimina o incentivo à adesão e inviabiliza a medida. O texto agora segue para o plenário da Câmara dos Deputados e tem até o dia 28 de novembro para ser votado antes de perder validade.
O relatório foi votado rapidamente em sessão nesta terça na comissão mista, presidida pelo deputado Leonardo Quintão (PMDB-MG), que ficou conhecido como um dos integrantes da "bancada do Refis". Esse grupo de parlamentares pressionou o governo a conceder descontos maiores para devedores no programa de parcelamento de débitos com a Receita Federal.
Quintão negociou a mudança no texto do PDV com a Secretaria de Governo, comandada pelo ministro Antonio Imbassahy, do PSDB - partido em que parte dos integrantes quer o desembarque do governo Michel Temer. A retirada dos artigos não teve o aval do Ministério do Planejamento, que esteve à frente da formulação da proposta. Os pedidos de mudanças no relatório do senador João Alberto Souza (PMDB-MA) feitos pela equipe econômica tampouco foram apresentados durante a sessão.
O artigo 12, um dos retirados, prevê que o servidor pode exercer outra atividade, pública ou privada, durante o período em que estiver em jornada reduzida, desde que isso não configure conflito de interesses. Isso inclui administrar empresas ou participar de conselhos fiscal ou de administração de companhias. O artigo 14, outro que foi suprimido, estende esses benefícios a quem aderir à licença não remunerada (afastamento por três anos, prorrogáveis por mais três). No caso da jornada reduzida, é preciso que as demais atividades sejam compatíveis com o horário da função pública.
O governo espera economizar R$ 1 bilhão com a MP do PDV, que inclui ainda a demissão voluntária de servidores que quiserem deixar o funcionalismo público. Como a área econômica considera que a "medida morre" sem esses incentivos, a economia esperada pode ficar em risco.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia