Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

telecomunicações

Notícia da edição impressa de 08/11/2017. Alterada em 07/11 às 20h25min

Tarifas de telefone fixo da Oi e Claro vão ficar mais baratas

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) autorizou o reajuste dos planos básicos da telefonia fixa (assinatura mensal, habilitação e minutos das ligações locais e nacionais). A média da redução das tarifas locais e interurbanas das concessionárias Sercomtel Telecomunicações; Algar Telecom; Claro S.A. (Embratel); Oi S.A. (Telemar S.A.) será entre -0,02% e -0,24%. Já as tarifas da Vivo (Telefônica) terão aumento médio de 0,76%.
O reajuste foi decidido na sexta-feira passada pelo Conselho Diretor da Anatel. Do total de clientes das concessionárias de telefonia fixa, 3.459.703 utilizam o plano básico de serviço da Oi (25,57%); 818.572 da Telefônica (8,62%); 58.095 da Algar Telecom (8,07%); e 12.763 na Sercomtel (7,41%). Em relação à Claro, o usuário, se não tem um plano contratado com a operadora, paga os valores do plano básico ao selecionar o Código de Seleção da Prestadora (CSP) para a ligação interurbana.
A tarifa de telefonia fixa é reajustada pelo Índice de Serviços de Telecomunicações (IST). No cálculo do reajuste os ganhos de produtividade das empresas são divididos com o consumidor por um redutor tarifário, denominado Fator X. De acordo com análise do conselheiro da Anatel, Leonardo de Morais, de outubro de 2016 a setembro de 2017, as tarifas da telefonia fixa caíram 3,96%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia