Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Serviços

06/11/2017 - 17h21min. Alterada em 06/11 às 17h21min

Escritório de Eventos de Porto Alegre concede mais de 280 licenças em seis meses

Em seis meses de atuação, o Escritório de Eventos de Porto Alegre, órgão criado para ser o intermediador único entre a prefeitura e os proponentes de shows e festividades públicas no município, já autorizou a realização de 286 eventos na Capital. Conforme a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDS), a partir das autorizações foram arrecadados mais de R$ 1,3 milhão aos cofres públicos.
Conforme a SMDS, as contrapartidas exigidas são definidas caso a caso e vão desde cavaletes e cones até banheiros químicos, segurança privada, ambulâncias e limpeza do local. Para o diretor do Escritório de Eventos, Antonio Gornatti, o órgão ajuda a estabelecer um regramento que contribui para “diversificar as opções de lazer e utilizar de forma ordeira o logradouro público”.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Milton Gerson 07/11/2017 20h33min
No Bom Fim acontece o mesmo, vários eventos se multiplicando sem consulta à comunidade local, olhando apenas o lado dos promotores e da arrecadação - se é que essa contrapartida é real - em um bairro que já sofre as consequências negativas de equipamentos públicos como o Parque da Redenção, o Araújo Vianna e os hospitais de Clínicas e HPS. Todos atraem grande público e com o movimento vem, o flanelinha, o tráfico, o roubo, furto, arrombamentos e outros problemas diante da falta de fiscalização.
Luciano 07/11/2017 15h29min
Infelizmente, os moradores da Cidade Baixa, vem sofrendo com eventos de rua, promovidos por particulares estranhos ao bairro, bloqueando o acesso dos moradores locais às residências e garagens, descumprindo horários de término desses eventos, e deixando lixo no local. É os moradores da rua sequer são consultados quanto a concordância com o evento. No mais, esses eventos tem servido mais à desova de estoques de cerveja artesanal e foodtrucks.