Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 02 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 03/11/2017. Alterada em 02/11 às 21h09min

Tucanos procuram acordo

Marconi Perilo

Marconi Perilo


PEDRO FRAN/AGÊNCIA SENADO/JC
O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e o presidente nacional interino do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), integrantes de grupos distintos dentro da sigla, buscam chegar a um acordo para desfazer, um pouco, o mal-estar da reunião do PSDB, na Câmara dos Deputados, no dia 30 de outubro, antes do feriado. A ala governista do partido bateu boca com o presidente interino, da ala que defende o desembarque da agremiação do governo e um novo discurso de autocrítica. Já o outro grupo, do governador de Goiás, Marcone Perillo, faz parte da ala governista e é visto como o candidato de Aécio Neves (PSDB-MG). Ele lançou, oficialmente, sua candidatura à presidência do PSDB. Fez a comunicação oficial durante a reunião com Tasso Jereissati, que, segundo confidenciou a amigos, também vai concorrer.
Ameaças de agressão
Até ameaças de agressão entre parlamentares dos dois grupos chegaram a ser ensaiadas na reunião da bancada. Convocada pelo líder do PSDB, Ricardo Trípoli (SP), a reunião deveria ser pacífica. Era só uma apresentação da empresa Ideia Big Data, contratada por Tasso Jereissati para cuidar da comunicação e das redes sociais do partido. O bate-boca começou quando os deputados Domingos Sávio e Paulo Abi-Ackel, de Minas Gerais, criticaram a contratação da empresa e receberam o apoio do deputado Giuseppe Vecci (GO), todos aliados do senador Aécio Neves. Tasso Jereissati classificou o episódio de agressões e ameaças de "uma reação delirante de Minas e Goiás". O PSDB se tornou igual ao PMDB e se aproxima da direita, sentenciou o ex-ministro Bresser Pereira. Tasso, com voz alterada, disse: "esse não é o meu PSDB".
Ferido o conjunto
A deputada Yeda Crusius (PSDB) afirmou que sabia que "seria uma reunião de atrito, gerado pelo fato de que uma pesquisa encomendada por Tasso com novos marqueteiros, foi vazada na Folha de S.Paulo, antes de os parlamentares saberem. Isso elevou a temperatura a níveis insuportáveis", avaliou. Os marqueteiros mostraram os twittes trocados na campanha. Foi muito pesado sobre o PSDB, sobre o Aécio.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia