Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Affonso Ritter

Observador

Notícia da edição impressa de 14/11/2017. Alterada em 13/11 às 21h23min

O atraso na indústria 4.0

Um tema recorrente no primeiro dia do Encontro Econômico Brasil-Alemanha na Fiergs foi o da indústria 4.0 ou Internet das Coisas, tanto nos discursos da abertura quanto no Painel Econômico e Comercial posterior. Neste ponto, há, ainda, um abismo entre os dois países, com a Alemanha liderando o processo, de um lado, e um grande desconhecimento no Brasil, do outro. E que sequer tem uma política oficial para o setor - aliás, prometida pelo ministro do Desenvolvimento Marcos Pereira em seu discurso na abertura para março de 2018. Mas o diretor da Confederação Nacional da Indústria (CNI), José Augusto Fernandes, nota que, de um ano para cá, já houve progressos nesse sentido, comparando a realidade atual com a de pesquisa realizada até então.
Mercosul Europa
E o acordo do Mercosul com a União Europeia, cujas negociações começaram há 20 anos, vai finalmente sair? "Acordos só não saem onde alguns ganham muito e outros perdem muito", respondeu Márcia Nejaim, da Apex-Brasil. O diretor da CNI, José Augusto Fernandes, não aposta que seja para breve. "Não seria a primeira vez que a gente morre na praia", disse a propósito do avanço das negociações.
Energia renovável
A novidade na intervenção do vice-ministro alemão de Assuntos Econômicos e Energia, Mathias Maching, sobre fontes primárias de energias renováveis mais do que números, chamou a atenção a insistência de que não basta serem sustentáveis, mas que seu uso precisa ser eficiente, econômico e competitivo. E a disposição de cooperar com o Brasil, até para evitar erros cometidos pela Alemanha, cuja meta é eliminar 85% a 90% das emissões de CO2 até 2050.
Os sons do Brasil
Muito aplaudida pelos participantes do encontro na Fiergs a apresentação artística da sua abertura, Os sons do Brasil, nesta segunda-feira de manhã, a cargo de grupos do Sesi, filhos de trabalhadores da indústria, vindos de Santa Rosa, Lajeado, Estrela, Caxias do Sul e Gravataí. Eles puderam mostrar, através de músicas e danças típicas, um pouco do Rio Grande do Sul, de Porto Alegre e de várias regiões do Brasil.
Startup para controlar infecções
Um dos destaques do estande do cluster Saúde no Encontro Econômico Brasil-Alemanha é a startup BeeIT, de Porto Alegre, e vinculada a Ufrgs. Ela desenvolveu e já está aplicando, na Santa Casa da Capital, um modelo teste de chip para monitorar o uso dos dispensers de álcool gel em ambientes hospitalares, bem como a gestão da frequência com que os profissionais da saúde fazem a higienização das mãos. Quando há monitoramento, aumenta a quantidade de vezes em que eles aplicam o gel, e colaboramos para o controle de infecções", comentou um dos sócios da empresa, Ronei Santos. De fato, a partir dos relatórios, é possível acompanhar cada ambiente, inclusive rastrear e abastecer os suportes de gel.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia