Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Fernando Albrecht

Começo de Conversa

Notícia da edição impressa de 13/11/2017. Alterada em 13/11 às 17h27min

Onde está Osmar?

MAURO VIEIRA/DIVULGAÇÃO/JC
Em meio a uma possível reforma ministerial, o peemedebista gaúcho Osmar Terra (foto) parece ganhar mais prestígio no governo federal. No lançamento do "Agora, é Avançar", o ministro do Desenvolvimento Social foi o único a ser citado nominalmente no discurso de Michel Temer (PMDB) pelas conquistas de sua gestão, incluindo o aumento de 12,5% no Bolsa Família. "O Osmar ainda conseguiu zerar a fila do programa", comemorou Temer.

Equação de Fischer

Valter Bianchi Filho, da Fundamenta Investimentos, divulga um alentado estudo sobre a trajetória dos juros nos últimos 700 anos. Como a inflação faz parte da equação de formação de juros (equação de Fisher), o trabalho revela que nunca houve um período tão prolongado sem deflação como nos últimos 70 anos. O estudo compara o atual ciclo de taxas de juros baixas ao que ocorreu em 1880-1890.

Boas notícias


AFONSO LICKS/DIVULGAÇÃO/JC
Sabem por que está todo mundo alegre? Porque o presidente da Finep, Marcos Cintra, veio com a notícia de que o BID aprovou uma linha de crédito de US$ 1,5 bilhão para o Brasil, recursos que o Finep vai ofertar para a inovação e que, para isso, precisa do BRDE, "banco capaz e competente ao nosso lado como parceiros", disse Cintra, para faceirice do presidente do BRDE, Odacir Klein, e do governador José Ivo Sartori (PMDB).
 

Voto de silêncio...

Durante o depoimento de Wesley Batista na CPI da JBS, o senador Lasier Martins (PSD) questionou o empresário sobre o que ele quis dizer ao proferir a frase "que país é este?" quando foi preso, em setembro passado. Lasier provocou: "Você estava se referindo ao país que você ajudou a saquear ou ao país que estava lhe colocando na cadeia?". Silêncio.

...e o país de Francelino

A expressão "Que país é este", acrescida de "em que o povo não acredita no calendário eleitoral?", foi proferida, originalmente, em 1976 por Francelino Pereira, presidente da Arena, partido do governo na ditadura. Na época, o presidente Ernesto Geisel anunciou que faria a transição da abertura "lenta, gradual e segura", que só começou anos depois.

Lavanderia tucana

Houve tempo em que se dizia que o PSDB gaúcho era tão pequeno que todos os militantes cabiam numa Kombi, e, mesmo assim, brigavam entre si. Depois, a Kombi foi substituída pela coreana Towner. E a briga continua.

Por falar em Towner...

...praticamente não se vê mais esse carro nas ruas de Porto Alegre. De repente, foram tragados pelos buracos das ruas da cidade. Finalmente, temos uma cidade vertical no sentido amplo da palavra. Para cima e para baixo.

Miúdas

  • GREVISTAS do Cpers pretendem voltar a trabalhar algum dia ou vão emendar direto com a aposentadoria?
  • QUANDO cai o preço da gasolina na refinaria nunca cai na bomba, só quando sobe.
  • BRASIL é o único país do mundo em que a lei da gravidade cai para cima.
  • PARADOXOS do presidente mais impopular da história: o juro está lá embaixo, e a inflação é a menor desde 1988.

Finais

  • NESTE dia 15 de novembro, Plauto Cruz, o Plauto da Flauta, completaria 99 anos. A Secretaria de Estado da Cultura programou diversos eventos para lembrar a data.
  • BOURBON Shopping realiza amanhã o evento "Café com Lojistas", dedicado aos parceiros comerciais da Rede Bourbon e Porto Alegre CenterLar.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Paulo Tavares 14/11/2017 14h25min
Sobre sua nota "Paradoxos", primeiramente a taxa de inflação em 1988 foi superior à 750% a.a; segundo, os números "oficiais" atuais não correspondem à realidade de quem vê os aumentos aplicados em produtos e serviços sempre acima de 2 dígitos.