Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 10 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Fernando Albrecht

Começo de Conversa

Notícia da edição impressa de 10/11/2017. Alterada em 09/11 às 21h30min

O húngaro que deixou saudades I

ACERVO ALFONSO ABRAHAM/DIVULGAÇÃO/JC
Falar em trem de passageiros desperta imediatamente uma sensação de saudade e nostalgia, especialmente para quem pegou os anos dourados das ferrovias dos anos 1950 até 1970. O último suspiro foi com o trem húngaro (foto), que começou a circular em meados de 1974 e foi vítima de descarrilamento no final dos anos 1980.

O húngaro que deixou saudades II

O Trem Húngaro podia não ser bonito, mas era eficiente e tinha um serviço de bordo muito bom. Podia ser mais veloz se a bitola dos nossos trilhos não fosse estreita. Contava com ar-condicionado, grandes janelas, poltronas reclináveis, bar a bordo, com serviço de "ferromoças" atendendo aos pedidos dos passageiros. Hoje, não temos nada aqui no Rio Grande do Sul.

No olho do mundo

A revista The Economist desta semana tem uma matéria sobre o deputado federal e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Segundo a publicação, Bolsonaro "não é o Messias. Ele é um garoto muito impertinente". E deixa no ar a pergunta: poderá ele se tornar o próximo presidente brasileiro? Por enquanto, ninguém sabe. Vai depender das pesquisas do ano que vem. Se ele se mantiver na segunda posição, soará o alerta máximo.

Historinha de sexta

No início dos anos 1960, quando as comunicações e estradas eram precárias no Estado, informes in loco sobre estragos de eventos climáticos no Interior ficavam a cargo de um funcionário da Casa Civil chamado Caio. Como levava horas e até dias para conseguir uma ligação com Porto Alegre, e usava-se o caro telegrama - o custo era por palavra entremeado por PT e VG, ponto ou vírgula -, o obrigaram a reduzir cada vez mais a mensagem. Foi reduzindo, reduzindo, mas nunca bastava. Certa feita, o Rio Caí botou para fora e atingiu o cais de Montenegro. Exasperado, Caio foi lá e resumiu a situação assim no telegrama:
Cais Caí caiu PT Caio.

Torre de Babel

Observa-se, e não de é de hoje, que diversas eleições em entidades representativas de profissões são palco de brigas intestinas. A cizânia impera. Quando sai o resultado da eleição de diretoria, não é raro a parte perdedora recorrer ao Judiciário. E a eleição, em alguns casos, é anulada. Isso, sim, que é sinal dos tempos.

Debate trabalhista

Às vésperas da entrada em vigor da reforma trabalhista, neste sábado, são grandes as divergências e dúvidas entre os magistrados e operadores de Direito. Conforme o advogado Renato Simões, do Escritório Souza Berger, será preciso promover muitos debates para se definir de forma mais clara como será a transição dos atuais contratos e os futuros processos judiciais.

A loteria estadual...

Se o governo do Estado quiser reinventar a Lotergs, a loteria gaúcha, vai ter que aumentar substancialmente o valor dos prêmios. Extinta desde 2004, a Lotergs dava prejuízo, porque o concorrente direto, a Federal da Caixa, pagava bem mais. Além disso, as lotéricas são impedidas de vender outras loterias ou raspadinhas que não as da Caixa. Banrisul? Venda de bilhetes em meio ente não funciona.

... seria uma loteria

Em vez de ouvir teóricos, o governo deveria ouvir quem joga e quem vende. Mesmo clandestino, o Jogo do Bicho ainda exerce forte atração, porque premia do 1º ao 5º - qualquer combinação dos números jogados -, milhar, centena e até dezena. E tem fé pública, porque o lema do bicho é sagrado: vale o escrito. Se legalizarem a loteria zoológica, ela acaba. E no dia seguinte reaparece de forma clandestina.

O perigo vem de baixo

O perigo da picada dos escorpiões (matéria nesta edição) sempre remete aos perigos de picadas de outros animais, como as cobras. Pelo menos existem soros antiofídicos. O método de "fabricação" consiste em injetar doses cada vez maiores de veneno das diversas espécies em cavalos, que vão criando cada vez mais anticorpos. Depois de algum tempo, tira-se sangue do animal e dele nasce o soro. O cavalo não morre.

Miúdas

  • PREFEITURA da Capital apresenta hoje aos permissionários do Mercado Público proposta de Manifestação de Interesse.
  • garantias que os direitos dos atuais permissionários e as tradições religiosas serão mantidos. Oremos.
  • CENTRO Cultural Multimeios Restinga será inaugurado no dia 25. Vai ocupar o desativado antigo Estúdio Multimeios.
  • MISSA alusiva aos 180 anos da Brigada Militar será dia 16/18h30min na Catedral Metropolitana.
  • SINDICATO dos Despachantes (Sindergs), que representa os despachantes em geral, exceto os aduaneiros, comemora, neste domingo, 35 anos de sua fundação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Dssilva 10/11/2017 18h21min
Votaremos em um ficha-limpa patriota e sem o rabo preso. Bolsonaro2018.