Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de dezembro de 2017.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 05/12/2017. Alterada em 04/12 às 12h06min

A mediação e o fim do advogado litigioso

Carla Duarte Macedo Kullmann
A mediação vem ganhando força no ambiente jurídico como instrumento eficaz na solução de conflitos, aliando-se ao Poder Judiciário na tentativa de desafogar a sua crescente demanda, ao mesmo tempo em que necessita realizar a devida prestação jurisdicional aos processos em tramitação. Nesta seara, é fácil perceber que o perfil do advogado moderno já não combina com a advocacia litigiosa, combatente e autônoma, ao passo que o advogado mediador e multidisciplinar vem ganhando espaço nas sociedades advocatícias.
Essa transformação do profissional do direito alinha-se à necessidade das partes de um processo de tornarem-se protagonistas de sua própria história, levando em consideração o entendimento da origem do conflito para resolvê-lo de forma apaziguadora, dispensando longas e custosas batalhas judiciais. O papel do advogado neste contexto deve ser colaborativo, e não combativo, de modo a incentivar cada vez mais seus clientes a participarem dos métodos consensuais de resolução de conflitos.
A advocacia moderna vem acumulando novos tributos ao mesmo tempo em que busca ter uma visão mais ampla do negócio, ou seja, não basta mais para o advogado apenas ganhar uma causa, é importante que seja reconhecido como um grande solucionador de problemas. Com o advento do novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105/15), bem como com a sanção da Lei da Mediação (Lei 13.140/2015), aumentou de forma considerável a busca pela resolução de conflitos de forma pacífica, pessoal e duradoura, e, consequentemente, transformou a responsabilidade do profissional do direito.
O advogado contemporâneo é o profissional que busca humanizar os procedimentos e as relações jurídicas através da escolha do tratamento mais adequado a cada caso, de modo que, ao final, o motivo gerador daquele conflito também possa ser solucionado.
Advogada especialista em Direito Civil e Processo Civil
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia