Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 14/11/2017. Alterada em 13/11 às 22h03min

Evolução hi$tórica do UFC

Lucas Queiroz
O UFC - Ultimate Fighting Championship - foi um divisor de águas no mundo das lutas, alavancou a popularidade do MMA - Mixed Martial Arts, ou Artes Marciais Mistas em tradução livre - e mudou a visão dos lutadores e espectadores sobre as artes marciais.
A partir da forte influência do vale-tudo no Brasil, o UFC foi fundado nos Estados Unidos pelo lutador brasileiro Rorion Gracie e pelo publicitário norte-americano Arthur Davie, em 1993, no Colorado, um dos únicos estados que permitiam lutas sem luvas.
Inicialmente, as regras do UFC eram mínimas, sendo um dos grandes objetivos das lutas identificar a arte marcial mais eficaz em situações de combate desarmado, o que, mais tarde, estimulou os lutadores a aprenderem artes marciais complementares, colocando em evidência as artes marciais mistas, uma vez que ficou claro que um lutador mais completo teria mais chances de vencer.
Seguindo os passos do pai Hélio Gracie, Rorion tinha como grande propósito provar que sua arte marcial de berço, o Jiu-Jitsu, era a mais completa entre as demais, tanto que, nas competições, não existiam categorias, os atletas se enfrentavam independentemente do peso e por várias vezes em um mesmo dia, até restar o grande campeão.
Em 2001, o UFC foi vendido a Frank Fertitta, Lorenzo Fertitta e Dana White pelo valor de
US$ 2 milhões, quando passou por uma restauração, a qual instituiu 31 regras e dividiu os atletas por categorias de peso, tornando um esporte mais profissional, competitivo e organizado.
Deste momento em diante, a popularidade do UFC só cresceu, sendo, atualmente, o maior evento de MMA do mundo, pagando cifras milionárias aos seus lutadores. A exemplo do valor pago ao irlandês Conor McGregor ao derrotar Eddie Alvarez e se tornar o campeão peso-leve em 2016: foram US$ 3,590 milhões, a maior quantia paga na história do UFC em uma luta de MMA. Observe que quase o dobro do valor pago na compra do UFC em 2001.
Realmente, é incrível o quanto o UFC valorizou, tornando-se um ótimo nicho de mercado para investidores que têm interesse no mercado esportivo. Deixo a dica: existem lutadores de alto nível no Brasil aguardando um bom investidor.
Advogado especialista
em Direito Desportivo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia