Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Notícia da edição impressa de 29/11/2017. Alterada em 28/11 às 19h24min

Gestão empresarial: está na hora de começar o planejamento

Tânia meinerz/divulgação/JC
Cristiano Diehl Xavier
Já estamos no segundo semestre do ano e, portanto, é hora de analisar o desempenho da sua empresa e programar os passos para 2018. É importante registrar todos os movimentos para avaliar os resultados obtidos, e não esperar dezembro para fazer este planejamento, pois o trabalho é grande. Principalmente porque muitas mudanças ocorreram em 2017 e ainda acontecerão no cenário político, econômico e tributário até o fim deste ano. Por isso, além de olhar para dentro da empresa, é relevante observar e analisar o mercado, e planejar o futuro a partir das informações que se tem em mãos.
A taxa Selic, que estava em 14,25%, hoje está em 8,25%, devendo chegar a 7,5% no fim deste ano. Isso exigirá que a taxa de juros real também caia, e significa possibilidade de crédito mais aberto. Lembre-se também que a reforma trabalhista mudará as relações com seus colaboradores. Tenha em mente que o Simples Nacional terá novo formato a partir de 1 de janeiro de 2018 e ampliará o limite de receita para adesão ao regime tributário, alterando o enquadramento de vários setores e disciplinando o pagamento de dívidas por empresas participantes. E a reforma tributária pode ser aprovada, e o País terá, neste caso, taxação maior sobre renda e patrimônio.
Alguns simples passos podem auxiliar na organização e planejamento para o próximo ano. A começar pela lista de tarefas pendentes, quais estão em andamento e as que precisam de ajustes para fechar o ano.
Todas as empresas deveriam fazer um planejamento tributário, elaborar um estudo para a buscar a diminuição de tributos respeitando as leis e considerando as características de cada empresa, obviamente. Tal procedimento pode incrementar a competitividade da organização aliviando sua carga tributária analisando estoque, faturamento, lucro e perdas, por exemplo.
A sugestão é montar um passo a passo para auxiliar nessa análise dos processos internos da empresa verificando se estão sendo realizados corretamente evitando o pagamento de multas. Outra dica é promover um estudo mais aprofundado de cada tributo pago pela empresa e se é possível reduzir valores de forma legal e até mesmo averiguar se existem prazos maiores para pagamento dos tributos a fim de ganhar mais tempo para aumentar o capital de giro e melhorar o fluxo de caixa.
Outro passo importante é conversar com os colaboradores. Isso possibilita avaliar, sob outras perspectivas, os pontos fracos e fortes da administração, além de interagir com a equipe, obter índices de desempenho e ganhar tempo para redefinir a gestão de pessoas. Aliás, ouvir colaboradores, clientes e fornecedores deve ser atitude constante, mas pode ser intensificada neste período para avaliar a performance da empresa com base na satisfação de seus públicos e já planejar estratégias de fidelização e engajamento.
Ter o controle diário de todos os processos para avaliar o retorno dos investimentos e acompanhar a performance da empresa permite traçar estratégias para aprimorar resultados, reavaliar o negócio e estabelecer novas metas. É bom evitar transtornos e correrias lá em dezembro, e deixar tudo planejado desde já para que a empresa possa iniciar o ano seguinte no melhor regime tributário. Isso porque a legislação não permite a alteração da opção do regime durante o ano. A opção pelo Simples Nacional, lucro presumido ou lucro real deve ser feita até o ultimo dia útil de janeiro; mas, antes de chegar lá, é melhor que a empresa esteja com os processos internos ajustados.
Além disso, a perspectiva dos especialistas é de que 2018 seja o ano em que o Brasil voltará a crescer, ainda que sem a compensação do PIB per capita. Para 2018, as projeções apontam para um crescimento de 2,50% da economia brasileira conforme o Boletim Focus, documento semanal elaborado pelo Banco Central com estimativas de cerca de 100 analistas. E sua empresa precisa estar organizada para aproveitar o cenário mais otimista.
Advogado e sócio da Xavier Advogados
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia