Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de novembro de 2017.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

opinião

Notícia da edição impressa de 13/11/2017. Alterada em 13/11 às 08h13min

Cooperativismo para uma saudável vida financeira

Rodrigo Borges, diretor-geral da Unicred

Rodrigo Borges, diretor-geral da Unicred


/NILTON SANTOLIN/DIVULGAÇÃO/JC
Rodrigo Borges
Em tempos de incerteza econômica, ter segurança e uma vida financeira saudável é o desejo de todos. Entre os jovens, a busca pelo bem-estar social tem sido uma das maiores desafios, principalmente daqueles que estão ingressando no mercado de trabalho ou os profissionais já colocados que planejam garantir seu futuro e de sua família.
É neste contexto que as instituições financeiras cooperativas vêm crescendo. Os jovens perceberam que o cooperativismo é uma maneira de compartilhar e unir esforços pelo bem comum, e é uma opção bastante inteligente e moderna.
Isso porque as cooperativas notabilizam-se por ser uma sociedade de pessoas e não de capital. Os cooperados são mais do que simples clientes: são os donos do "negócio", participando da tomada de decisão.
O público jovem, percebendo estes diferenciais, vem valorizando o sistema cooperativista. E não é só por isso. O cooperativismo está atento às tendências do mercado, evoluindo de acordo com a sociedade.
Conectado com seu tempo, utiliza as tecnologias disponíveis, desenvolve ferramentas e canais de comunicação - a exemplo do mobile - e lança novos serviços e produtos, assim como linhas de crédito e de financiamento diferenciadas. O cooperativismo democratiza o crédito e demais produtos financeiros, promovendo o desenvolvimento sustentável e reduzindo as diferenças entre as pessoas.
Essa notável atenção sobre os movimentos transformadores do mercado faz com que as cooperativas tenham um crescimento contínuo, principalmente em ativos financeiros, novos canais e unidades de negócios. Hoje já são 68 mil cooperativas de crédito, em 105 países. No Brasil, são mais de 1.100 que administravam ativos totais de R$ 296 bilhões e contando com o envolvimento de mais de 9 milhões de cooperados, número que só tende a crescer.
Diretor-geral da Unicred RS
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia