Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de outubro de 2017. Atualizado às 23h35.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 11/10/2017. Alterada em 10/10 às 18h51min

Pelo empoderamento do paciente

Maira Caleffi
"Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas." A frase está em um dos maiores tratados de estratégia de todos os tempos, "A arte da guerra", de Sun Tzu, general chinês e filósofo nascido em 544 a. C. É uma lição de disciplina e de valorização do conhecimento que pode ser aplicada em diversos momentos de superação em nossas vidas. O câncer de mama cria essa sensação de guerra entre a pessoa e a doença. Para combatê-la, é preciso compreendê-la e desafiá-la. Neste Outubro Rosa, a nossa luta é pelo empoderamento dos pacientes. Por meio da campanha "PacientesNoControle", incentivaremos a busca de informações sobre o tratamento, além da participação ativa nas decisões e exigência dos direitos. O enfrentamento é o primeiro passo.
Com tristeza, vemos que muita gente se apequena perante a doença, levantando barreiras para entender ou assumir o protagonismo - mesmo quando há boas chances de cura e condições adequadas de tratamento. O câncer de mama é também uma guerra psicológica, travada com seus sentimentos e expectativas. Queremos incentivar que não há motivação maior do que o domínio de suas possibilidades.
O Rio Grande do Sul é o estado com maior incidência de câncer de mama no Brasil. São 90 casos em 100 mil habitantes. Milhares de gaúchas (e algumas dezenas de gaúchos) enfrentam as incertezas da doença e do tratamento. Podemos - amigos, familiares e profissionais da saúde - auxiliá-los a tomar o controle, com empatia e sensibilidade. Mesmo quem está de fora, mas se sensibiliza com a causa, pode ajudar, atuando como voluntário do Instituto da Mama do RS (Imama). Quando o paciente assume as rédeas da sua recuperação e obtém o devido suporte, aumenta significativamente suas chances. O câncer de mama é um inimigo ardiloso, mas está longe de ser imbatível.
Chefe do Serviço Médico de Mastologia do Hospital Moinhos de Vento
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia