Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 05 de outubro de 2017. Atualizado às 22h55.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 06/10/2017. Alterada em 05/10 às 18h33min

Maluf, o homem da verdade

João Gomes Mariante
Existem nesse mundo calamitoso, em que por adversidade continuamos vivendo, pessoas que não são apenas desonestas; são espúrias, posto que se utilizam de tão hipócritas e ilegítimas defesas, e se conduzem na vida como seres indefesos, a ponto de causarem dúvida sobre o excesso, o exagero e a qualidade de suas afirmações.
Suas burlas, constantes fraudes inoportunas e lendas sempre assessoradas pela destacada vida de mentiras, são apresentadas de tal maneira que, mesmo sendo farsa, é capaz de causar inveja a Caim.
Conheci de perto e a distância, ao ponto de manusear o conceito de honestidade, o que o homem deixa de ocultar nos recônditos da mente. E o faz de maneira tão ampla e com tal capacidade de transmissão que até faz crer aos incautos que seus enganos são verdades.
Maluf declarou que tem 101% de certeza de que Temer é honesto. Mas o que respeitar nesse desrespeito? A inteligência e a própria desonestidade? A cada dia, se faz cultura ou acentua-se a negação atual? E a capacidade, e a gratificação de criar o possível para o implante de mais leis, de um modo incoerente, desguarnecido de princípios condutores de normas éticas, e de avanços da civilização, do humano e da espiritualidade coletiva?
Sabe-se que quem adorna sua consciência, de certa forma, ascende à confiança alheia. Aqueles que opinam sobre tal conceito são os mesmos que assim poderiam afirmar sobre Maluf: "Não leva dinheiro, mas lava dinheiro". Embora não se dê muita a atenção a estendê-lo no varal da passagem pública, esse tipo espúrio de conceito vai sendo introjetado na mente dos incautos que passam a admirá-lo e cada vez mais a cobiçá-lo. Essa é a cultura predominante em nosso País - disseminada por homens assim, que encerram dentro de si o infamante, o reprovável, o depravado.
Estamos numa quadra da nossa história em que jamais se adulterou tanto a verdade e tanto se desconsiderou a existência da dignidade pública.
Suas palavras têm o mesmo significado de um perjúrio!
Jornalista e psicanalista
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia