Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de outubro de 2017. Atualizado às 23h40.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 04/10/2017. Alterada em 03/10 às 18h57min

Falta diálogo na crise do Estado

Aguinaldo Caetano Martins
O estado Rio Grande do Sul passa por um momento de grave crise. Crise econômica, de iniciativa, de gestão, de transparência e muito próxima de uma crise político-institucional. Salários dos servidores parcelados e atrasados, colapso na infraestrutura e na logística, falta de segurança e aumento da violência e falência do sistema educacional são apenas algumas consequências da falta de atitude.
Solidariedade é o sentimento de identificação em relação ao sofrimento dos outros. E responsabilidade recíproca. Significa não apenas reconhecer as dificuldades que atravessamos, mas oferecer ajuda. Lealdade é a qualidade de ser sincero, franco e honesto, fiel aos compromissos assumidos. Se existem culpados de tudo que acontece no Rio Grande do Sul, estes somos todos nós. Precisamos reconhecer que todos estamos no mesmo barco e que temos que construir um pacto pela recuperação do Estado baseado na solidariedade e na lealdade.
Por isso, é necessário que os Poderes transijam politicamente com transparência sobre o endividamento do Estado, sobre as isenções fiscais, sobre a recuperação de créditos, o controle de gastos e combate à sonegação.
A preocupação que temos é de que, no momento, não há nenhum indicativo de diálogo entre os construtores da história. O que vemos, até agora, é a pura intransigência, desconfianças, omissões e lorotas, confundindo o orgulho gaúcho, que também entrou em franca decadência.
Diretor do Sindjus-RS
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia