Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de outubro de 2017.

Jornal do Comércio

Internacional

CORRIGIR

direitos humanos

Alterada em 23/10 às 13h57min

Sydney aprova aluguel grátis para cerimônias de casamentos homossexuais

O poder Legislativo de Sydney, maior cidade da Austrália, aprovou nesta segunda-feira, uma moção para dar gratuidade por 100 dias no aluguel de espaços públicos para cerimônias de casamento entre pessoas do mesmo sexo, informa o jornal Sydney Morning Herald. Segundo Linda Scott, que propôs a moção, está é uma forma de a cidade apoiar a consulta popular que o Parlamento australiano está fazendo sobre o casamento homossexual.
Até o dia 7 de novembro, todos os australianos podem enviar sua opinião sobre o assunto, cujo resultado será divulgado no dia 15 de novembro. Caso o sim seja a resposta majoritária, uma lei autorizando o casamento entre pessoas do mesmo sexo será proposta no Parlamento. A moção aprovada por Sydney só valerá quando e se essa lei entrar em vigor.
Os casais ainda terão que pagar por fotos e vídeos de casamento, mas o governo da cidade não vai cobrar pelo aluguel de espaços públicos, como a prefeitura ou a Ópera de Sydney. A medida causou polêmica mesmo entre legisladores homossexuais favoráveis à consulta popular.
"Essa tem sido uma luta por igualdade, e eu acredito que não podemos pedir isso para nós mesmos e negar para outros", disse Christine Forster, legisladora de Sydney e uma das organizadoras do movimento pela aprovação do casamento homossexual, em entrevista ao jornal australiano. "Nós queremos tornar casamentos inclusivos, não exclusivos, e essa moção vai totalmente contra a nossa luta", disse ela, que votou contra a moção.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia