Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 09 de outubro de 2017. Atualizado às 08h06.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

prêmio

Alterada em 09/10 às 08h10min

Estudo do comportamento na tomada de decisões rende Nobel de Economia

Prêmio foi anunciado pela Academia Real Sueca de Ciências, em Estocolmo

Prêmio foi anunciado pela Academia Real Sueca de Ciências, em Estocolmo


JONATHAN NACKSTRAND/AFP/JC
Folhapress
O prêmio Nobel de Economia foi concedido nesta segunda-feira (9) ao economista norte-americano Richard H. Thaler, 72, por sua pesquisa sobre economia comportamental.
Ao anunciar a premiação, a Academia Real Sueca de Ciências, em Estocolmo, destacou que o acadêmico, da Universidade de Chicago, mostrou como traços da personalidade dos indivíduos -como racionalidade limitada, preferências sociais e falta de autocontrole- afetam tanto decisões pessoais quanto do mercado como um todo.
"Richard H. Thaler incorporou hipóteses psicologicamente realistas na análise das tomadas de decisões", diz o comunicado de anúncio do prêmio.
No ano passado, o prêmio foi entregue ao finlandês Bengt Holmström, 67, e ao britânico Oliver Hart, 68, por trabalhos na área de contratos.
Ao anunciar a premiação de ambos, em 2017, a Academia Real Sueca de Ciências destacou que "economias modernas são ligadas por inúmeros contratos" e que os trabalhos de Hart e Holmström "criaram uma base intelectual para o desenho de políticas e instituições em muitas áreas, da legislação de falência a constituições políticas".
A pesquisa do britânico, da Universidade Harvard, mostrou a importância de especificar, por exemplo, quem, em uma relação regida por contrato, tem o direito de tomar decisões em determinadas circunstâncias não antecipadas originalmente ou como eventuais problemas devem ser arbitrados.
A pesquisa de Holmström, que é professor do MIT (Massachusetts Institute of Technology), também revelou como incentivos corretos podem aumentar a eficiência de contratos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia