Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de outubro de 2017. Atualizado às 00h46.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

protestos

Alterada em 11/10 às 00h50min

Moradores de Porto Alegre deixam sacos de lixo seco em frente ao Paço Municipal

Bárbara Lima
Moradores de Porto Alegre deixaram, no fim da tarde desta terça-feira (10), sacos de lixo seco em frente ao Paço Municipal, no centro da cidade. A mobilização, que iniciou no Facebook com o evento Leve seu lixo seco para o Marchezan - em referência ao prefeito da Capital - foi um protesto contra a suspensão de cinco dias da coleta seletiva por atraso nos pagamentos dos cooperativados que fazem o recolhimento do material. O serviço foi retomado apenas nesta segunda-feira (9), quando a Cootravipa aceitou o novo cronograma de pagamentos da prefeitura.
A manifestação começou tímida, segundo a assistente social Iaraí Strossi, que trabalha com os coordenadores do Centro de Educação Ambiental Vila Pinto, onde há galpões para reciclagem de materiais. “Se a Cootravipa não recolhe o lixo reciclável, os galpões não tem material para trabalhar, e centenas de famílias, fora os cooperativados da Cootravipa, ficam sem emprego, sem ter o que comer”, disse Stossi em nota.
Ela afirma ainda que a prefeitura não pode terminar com o serviço prestado a população, justamente pelo tempo de conscientização sobre a importância da coleta. “São 20 galpões de reciclagem em Porto Alegre hoje em dia, foram mais de 20 anos para a comunidade porto-alegrense se adaptar a reciclar seu lixo e cooperar com a coleta seletiva. O Prefeito Marchezan não pode terminar com este trabalho iniciado há tantos anos e que sustenta tantas famílias, muito menos terminar com a Cootravipa não pagando os cooperativados”, concluiu.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia