Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de outubro de 2017. Atualizado às 23h26.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

campeonato brasileiro

Alterada em 12/10 às 23h27min

Palmeiras abre vantagem, mas cede empate ao Bahia na volta de Felipe Melo

Folhapress
O Palmeiras ensaiou goleada contra o Bahia nesta quinta-feira (12), abriu dois de vantagem, mas desabou de rendimento no segundo tempo. A partida no Pacaembu, válida pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro, terminou empatada em 2 a 2.
O Palmeiras foi superior nos primeiros 15 minutos e controlou a partida, criando chances usando as laterais. Em uma delas, logo no primeiro minuto, cruzamento de Deyverson foi desviado por Moisés e completado para o gol por Willian. Foi o 16º anotado pelo atacante na temporada.
O Bahia não conseguia ficar com a bola porque o Palmeiras apertava a marcação e fazia o desarme. Parecia a equipe que em 2016, com o mesmo Cuca, havia sido campeã brasileira.
Mas aos poucos, o time caiu de rendimento. Os visitantes melhoraram e começaram a ameaçar. Fernando Prass teve de fazer boa defesa em arremate de Vinicius.
Para tentar se envolver mais na partida, Deyverson voltava ao meio-campo para buscar o jogo. Apesar de não manter o mesmo ritmo, o Palmeiras fez o segundo aos 38 minutos, quando Tchê Tchê ajeitou com o peito para Bruno Henrique chutar forte.
Foi a primeira vez que o Palmeiras conseguiu fazer mais de um gol em uma partida desde 27 de agosto, quando bateu o São Paulo por 4 a 2.
Abertos pelas laterais, Eduardo e Vinicius colocavam o Bahia no ataque e o time descontou aos 46 minutos quando, em falha da marcação da zaga paulista, Edigar Junio ficou sozinho na área para desviar de cabeça.
A atuação de Deyverson começou a irritar a torcida. No segundo tempo, o público no Pacaembu passou a gritar o nome de Borja. Cinco minutos depois disso, Cuca chamou o colombiano para entrar. Antes disso, Deyverson tentou cavar pênalti em lance que recebeu na área e tentou levar a marcação.
O momento de maior vibração da torcida no segundo tempo foi a entrada do volante Felipe Melo, que chegou a ser afastado do elenco. Pela segunda vez no segundo tempo, o treinador atendeu a uma reivindicação do público. O volante não jogava há 78 dias.
O Palmeiras criou uma boa chance com Dudu, que não conseguiu driblar o goleiro para ficar com o gol aberto. Os comandados de Cuca não souberam explorar as laterais com eficiência e repetir as jogadas que resultaram nos gols. O castigo quase aconteceu aos 31 minutos, quando Edigar Junio bateu cruzado e Prass amorteceu o chute. Por causa disso, o arremate não teve força suficiente para entrar.
A partir dos 35 minutos, o Bahia começou a pressionar e obrigou Fernando Prass a aparecer com boas defesas. As alterações feitas por Cuca não surtiram nenhum efeito. Até que, aos 43 minutos, Mendoza caiu na área em disputa com Róger Guedes. O árbitro marcou pênalti, convertido por Edigar Junio, o melhor em campo. Nos acréscimos, os visitantes quase fizeram o terceiro.
Com o resultado, o Palmeiras atingiu os 44 pontos e está em 5º, na zona de classificação para a Libertadores. Com 32 pontos, o Bahia chegou ao 14º lugar.
O São Paulo precisava de um favor do Palmeiras. Necessitava que o rival paulista derrotasse o Bahia por três gols de diferença para sair da zona de rebaixamento. O empate manteve o clube do Morumbi na 17ª posição, entre os quatro piores do Brasileiro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia