Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de outubro de 2017. Atualizado às 10h06.

Jornal do Comércio

Esportes

CORRIGIR

Eliminatórias da Copa

Alterada em 10/10 às 10h09min

Austrália vence com gol na prorrogação e encerra sonho da Síria de ir à Copa

A busca da seleção da Síria pelo empate ficou difícil com um jogador a menos durante a prorrogação

A busca da seleção da Síria pelo empate ficou difícil com um jogador a menos durante a prorrogação


WILLIAM WEST/AFP/JC
A Austrália se manteve na briga por uma vaga na Copa do Mundo de 2018, na Rússia, ao vencer a Síria por 2 a 1, de virada, nesta terça-feira (10), em Sydney, graças a um gol marcado pelo meia Tim Cahill na prorrogação do confronto de volta da repescagem asiática das Eliminatórias. Com o triunfo, os australianos asseguraram classificação à repescagem mundial e encerraram o sonho dos sírios de colocarem o seu país pela primeira vez em uma edição da principal competição do futebol no planeta.
Na partida de ida deste mata-mata, realizada na semana passada na Malásia, tendo em vista o fato de que a Síria vem sendo devastada por uma guerra civil, a Austrália havia conseguido um empate por 1 a 1, fora de casa. E agora conseguiu fazer valer o fator campo para derrotar o adversário, que chegou a abrir o placar com um gol de Omar Al Somah já aos 6 minutos do primeiro tempo.
Pouco depois, porém, os australianos empataram aos 13 minutos com um gol de Tim Cahill, ídolo do futebol do país e que depois se tornaria o grande herói da classificação para a repescagem mundial das Eliminatórias ao voltar a balançar as redes na prorrogação.
Agora, a Austrália espera pela definição do seu adversário na repescagem mundial, que será o quarto colocado do qualificatório da Concacaf. No caso, Estados Unidos, Honduras ou Panamá poderão terminar nesta posição após a rodada final marcada para acontecer também nesta terça, às 21h (de Brasília).
Os atuais donos da quarta colocação das Eliminatórias da Concacaf são os panamenhos, que atuarão em casa diante da Costa Rica, país já garantido no Mundial. Com os mesmos dez pontos do Panamá, mas em quinto lugar nos critérios de desempate, os hondurenhos enfrentarão o México, outro com vaga assegurada na Copa, também como mandantes.
Já os norte-americanos, que estão na terceira posição, com 12 pontos, encaram Trinidad e Tobago, fora de casa, no outro confronto que fechará a fase final das Eliminatórias da Concacaf nesta terça-feira.
Agora sem mais condições de sonhar com uma vaga na Copa, a Síria deu muito trabalho à Austrália, país da Oceania que disputa as Eliminatórias Asiáticas por ter se filiado à confederação deste continente. O time deu um susto na torcida local que lotou o AZN Stadium, de Sydney, ao abrir o placar em belo chute cruzado de Omar Al Soma, que venceu o goleiro Mathew Ryan após ser acionado pelo lado esquerdo da grande área naquele que foi o primeiro ataque perigoso dos visitantes.
Cahill, porém, começou a brilhar aos 13 minutos ao receber um cruzamento da direita e, livre de marcação, cabecear para as redes. E o também capitão australiano depois iria tirar a seleção do sufoco aos quatro minutos do segundo tempo da prorrogação. Novamente após um cruzamento, desta vez vindo da esquerda, ele voltou a usar a cabeça para vencer o goleiro Ibrahim Alma, que se esticou todo e ainda tocou na bola, mas não conseguiu evitar que a mesma entrasse em sua meta.
E a missão da Síria de buscar o empate ficou complicada até pelo fato de que a seleção estava com um homem a menos a partir do início da prorrogação, quando Mahmoud Almawas foi expulso. Foi o fim do sonho dos sírios, que agora trocarão a fantasia que alimentava com a possível vaga na Copa pela dura realidade vivida pelo seu país.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia