Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de outubro de 2017. Atualizado às 16h26.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

setor leiteiro

Alterada em 12/10 às 16h26min

Blairo Maggi pede mais rigor na fiscalização do comércio de leite hidratado

Agência Brasil
O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, reuniu ontem (11) a equipe técnica do ministério e pediu que seja intensificada a fiscalização sobre a reidratação de leite em pó para produção do tipo longa vida (UHT) em qualquer região do país, conforme determina o Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (Rispoa).
O artigo 354 do regulamento proíbe de forma clara reidratar leite no Brasil. A exceção é tratada na Portaria 196/94 para produção de leite pasteurizado, não UHT, em situações de emergência de desabastecimento.
No Rio Grande do Sul e Santa Catarina, a reidratação para produção de leite pasteurizado, de acordo com a portaria, não pode ocorrer entre os meses de outubro a janeiro, período de safra na região.
No Sudeste e Centro-Oeste, a reidratação para leite pasteurizado é proibida de dezembro a março.
Segundo o ministro, é relevante que o consumo de leite pasteurizado no país não atende a 14% do total do mercado, sendo o longa vida (UHT) a forma mais comum para consumo do produto na forma fluida.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia