Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de outubro de 2017. Atualizado às 16h16.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 12/10 às 16h19min

Ouro fecha em alta com avaliação 'dovish' dos investidores sobre ata do Fed

O contrato futuro de ouro fechou em alta na sessão desta quinta-feira, à medida que investidores avaliaram a ata da última reunião de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) como levemente "dovish", ou seja, a favor de uma política monetária mais relaxada.
O ouro para dezembro fechou em alta de US$ 7,60 (0,58%), a US$ 1.296,50 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).
Analistas já apontavam que qualquer sinal favorável a uma política acomodatícia poderia dar um impulso ao ouro. Qualquer sinal de que uma elevação de juros está próxima nos EUA tende a prejudicar o metal precioso, que concorre nesse caso com investimentos que pagam retorno quando há alta de juros.
A ata do Fed, que foi divulgada após o fechamento do ouro ontem (11), mostrou sinais de que os dirigentes do BC americano questionaram a necessidade de uma alta de juros em dezembro, apesar de esta ser dada quase como certa pelos mercados, à medida que o nível da inflação continua a ficar abaixo da meta da instituição de 2%.
A reação do mercado à ata foi relativamente modesta, mas o documento sugeriu que a presidente do Fed, Janet Yellen, e outros dirigentes do BC devem elevar os juros em dezembro.
Ainda, o diretor de pesquisa da GoldCore, Mark O'Byrne, apontou que os recentes ganhos do metal precioso também podem ser atribuídos por uma esperada demanda mais forte com a Índia entrando em feriado prolongado importante, o Diwali, além de tensões geopolíticas relacionadas com a Coreia do Norte, Oriente Médio e o presidente dos EUA, Donald Trump. 
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia