Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de outubro de 2017. Atualizado às 13h01.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 12/10 às 13h04min

Maioria dos economistas espera alta do Fed em dezembro

Economistas consultados pelo Wall Street Journal este mês acreditam que o Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) deve elevar os juros uma vez mais este ano e três vezes em 2018, em linha com as projeções da própria autoridade monetária.
No levantamento, 56 dos 59 entrevistados, quase 95%, afirmou que o BC norte-americano deve subir os juros em dezembro para a banda entre 1,25% e 1,50%. É um avanço em relação à última pesquisa, publicada no mês passado, quando cerca de três quartos dos economistas disseram acreditar nesse resultado.
"Eles não devem perder essa oportunidade bem telegrafada", afirmou James F. Smith, economista-chefe da Parsec Financial.
Cerca de 58% dos economistas também acreditam em novo aperto monetário na reunião de 20 e 21 de março. Um terço, porém, disse prever nova alta apenas em junho.
O Fed tem mais duas reuniões este ano, no final de novembro e entre 12 e 13 de dezembro. As apostas para a reunião mais próxima estão próximas de zero, principalmente por causa da ausência de coletiva com a presidente Janet Yellen. Cada aperto monetário que aconteceu após 2015 se deu em reuniões seguidas de coletivas, onde Yellen pode explicar suas decisões.
Para Gregory Daco, economista-chefe da Oxford Economics para os EUA, o Fed deve elevar os juros em dezembro e depois em março.
"Depois de bancarem três altas em 2017, o Fed deve se sentir confiante para fazê-lo mais uma vez em março", afirmou, acrescentando que "isto é ajudado pela retomada da inflação".
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia