Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 12 de outubro de 2017. Atualizado às 09h41.

Jornal do Comércio

Economia

CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 12/10 às 09h45min

Pedidos de auxílio-desemprego caem 15 mil na semana nos EUA, a 243 mil

O número de pedidos de auxílio-desemprego nos Estados Unidos recuou 15 mil na última semana, para 243 mil na semana encerrada no dia 7, após ajustes sazonais, informou o Departamento do Trabalho nesta quinta-feira. Analistas ouvidos pelo Wall Street Journal previam 252 mil solicitações.
A queda ocorre pela segunda semana consecutiva, embora furacões recentes ainda gerem impacto no número no sul do país. No mês passado, os pedidos de auxílio-desemprego aumentaram e atingiram 298 mil, depois da passagem dos furacões Harvey pelo Texas e pela Louisiana. Os pedidos então permaneceram elevados após os furacões Irma e Maria atingirem áreas do sul e do leste dos EUA, o que afetou as leituras desse indicador na Flórida, em Porto Rico e nas Ilhas Virgens americanas.
O patamar segue, de qualquer modo, perto das mínimas históricas, em um sinal de que o mercado de trabalho americano está saudável.
A média móvel das últimas quatro semanas, calculada para reduzir a volatilidade do dado, recuou a 257.500, após atingir um pico em mais de um mês em meados de setembro.
O número de trabalhadores que recebeu auxílio-desemprego há mais de uma semana recuou a 1,889 milhão na semana encerrada em 30 de setembro, no menor patamar desde dezembro de 1973. Esse dado sai com uma semana de atraso.
A taxa de desemprego nos EUA recuou a 4,2% em setembro, patamar mais baixo desde o início de 2001.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia