Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de outubro de 2017. Atualizado às 19h01.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 11/10 às 19h01min

Bolsas de Nova Iorque renovam recordes após ata do Fed e discursos de Williams e Trump

Os mercados acionários americanos fecharam em alta nesta quarta-feira (11), influenciados pelo discurso do presidente da distrital de San Francisco do Federal Reserve (Fed), John Williams, e pela ata da última reunião de política monetária do banco central dos Estados Unidos. Um comentário do presidente americano, Donald Trump, também foi monitorado pelos investidores.
O índice Dow Jones fechou na máxima, em alta de 0,18%, aos 22 872,89 pontos. Também na máxima do dia, o S&P 500 avançou 0,18%, aos 2.555,24 pontos; enquanto o Nasdaq subiu 0,25%, aos 6.603,55 pontos. Os três índices renovaram recordes de fechamento.
Após um início morno, oscilando entre leves ganhos e perdas, os índices de ações dos EUA passaram a exibir ganhos um pouco mais expressivos e renovaram máximas históricas. A ata do Fed mostrou pouca mudança nos negócios, com as bolsas mantendo as leves altas. No entanto, um discurso de John Williams, do Fed de San Francisco, animou os mercados.
O dirigente disse não ver sinais de excessos no mercado financeiro neste momento, dando aval para que os investidores fossem às compras. Entre os destaques do dia esteve o setor de tecnologia, com a Apple em alta de 0,42%, o Facebook subindo 0,67% e o Twitter avançando 1,84%. Já os papéis da Snap, a controladora do Snapchat, saltaram 11,44%, fechando na máxima do dia, com a companhia na maior valorização diária desde a oferta pública inicial (IPO), após o Credit Suisse elevar o preço-alvo da Snap de US$ 17 para US$ 20.
O presidente Donald Trump também foi monitorado pelos mercados. Em um breve comentário no Salão Oval da Casa Branca, o republicano afirmou que deseja ver o arsenal nuclear americano "em boa forma", afirmando que será necessário aumentá-lo e modernizá-lo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia