Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 11 de outubro de 2017. Atualizado às 10h51.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

aviação

Alterada em 11/10 às 10h51min

Azul vende aviões para Nordic Aviation Capital e reduz dívida em R$ 325 milhões

A Azul vendeu dez aviões do modelo ATR 72-600 para a Nordic Aviation Capital (NAC), o que resultará em uma redução da dívida total em cerca de R$ 325 milhões, informou a empresa, em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), ressaltando que não deixará de voar com ATRs, mas substituirá parte por aeronaves maiores e mais modernas.
Cinco unidades sairão da frota da companhia no último trimestre de 2017 e cinco na primeira metade de 2018. O acordo com a NAC também inclui a entrega de três aeronaves novas ATR 72-600 sob leasing operacional na segunda metade deste ano.
Segundo o documento, a decisão da Azul está em linha com sua estratégia de otimização de frota e crescimento por meio de aeronaves com maior capacidade de assentos e mais eficientes. A venda dos 10 ATRs já estava sendo considerada na projeção de frota da empresa para 2017 e 2018, que consiste em encerrar o ano com 122 e 128 aeronaves operacionais, respectivamente. A empresa espera crescer sua capacidade em termos de assentos quilômetros voados (ASKs) de 11% a 13% em 2017.
"Continuaremos voando com os ATR, pois eles nos ajudam a explorar novos mercados e rotas regionais. Na medida em que expandimos nossa malha, é natural que parte de nossos ATR sejam substituídos por aeronaves maiores e mais modernas. Nossa estratégia, em termos de frota, é ter a aeronave certa para o mercado certo e já conseguimos identificar vários mercados que estão prontos para receber aeronaves maiores", comentou John Rodgerson, presidente da Azul, no documento.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia