Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de outubro de 2017. Atualizado às 23h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado de Capitais

Notícia da edição impressa de 11/10/2017. Alterada em 10/10 às 21h25min

Para Moody's, Previdência define rating do Brasil

O responsável por ratings soberanos de América Latina na Moody's, Mauro Leos, afirmou nesta terça-feira que a agência de classificação de risco terá mais facilidade para decidir sobre o rating do Brasil caso o País não aprove a reforma da Previdência até o próximo ano. "Se não houver nenhuma reforma nem expectativa de que ela saia antes de 2019, aí nossa decisão será mais fácil", disse Leos. A Moody's tem planos de mandar ao Brasil uma missão no início de 2018 para avaliar o cenário nacional.
A afirmação do executivo indica que, caso não haja uma reforma da Previdência em breve, a Moody's pode alterar negativamente o rating do País, que está atualmente com nota Ba2, com perspectiva negativa. Leos disse ainda que "os investidores estrangeiros desenvolveram um alto nível de tolerância em relação ao Brasil", o que pode ser visto nas constantes altas da bolsa brasileira, que atingiu recordes no mês passado. O executivo ressaltou a queda da inflação e dos juros e a retomada do crescimento econômico do Brasil.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia