Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de outubro de 2017. Atualizado às 23h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Tributos

Notícia da edição impressa de 11/10/2017. Alterada em 10/10 às 23h32min

Operação apura comercialização de dados da Receita

PF cumpriu mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão

PF cumpriu mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão


/POLÍCIA FEDERAL/DIVULGAÇÃO/JC
A Polícia Federal, em conjunto com a Corregedoria da Receita, deflagrou, nesta terça-feira, a Operação Spy, que apura a comercialização de dados extraídos de sistemas internos da própria Receita. Cerca de 60 policiais federais e 10 auditores da Receita cumprem oito mandados de prisão preventiva, inclusive contra três servidores públicos, além de 12 mandados de busca e apreensão, nos estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Rio de Janeiro e no Distrito Federal.
A Polícia Federal atribui aos integrantes do esquema os crimes de corrupção ativa e passiva, e lavagem de dinheiro. A investigação teve início em setembro de 2016, a partir de informações da Corregedoria da Receita, que indicavam a atuação ilegal de servidores do Fisco. Dados relacionados à atividade de comércio exterior eram extraídos de sistemas internos e repassados, mediante pagamento, por intermediários, a empresas que desempenham atividades de exportação ou importação.
As ordens judiciais de prisões e buscas foram decretadas pela 7ª Vara Federal de Porto Alegre e se destinam à obtenção de informações complementares sobre as práticas investigadas. Os decretos de prisão têm fundamento na garantia da ordem pública, da ordem econômica e por conveniência da instrução criminal.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia