Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de outubro de 2017. Atualizado às 10h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Alterada em 10/10 às 10h41min

Indústria gaúcha recua 2,0% em agosto, na contramão do desempenho nacional

Na média nacional, o setor industrial mostrou crescimento de 4,0% em relação a agosto de 2016

Na média nacional, o setor industrial mostrou crescimento de 4,0% em relação a agosto de 2016


CLAITON DORNELLES/JC
A produção industrial gaúcha registrou queda de 2,0% em relação a agosto do ano passado. O desempenho do Estado vem na contramão dos demais resultados nacionais, que apontaram expansão em 13 dos 15 locais que integram a Pesquisa Industrial Mensal - Produção Física Regional, divulgada nesta terça-feira (10) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
A indústria do Rio Grande do Sul foi impactada pelo comportamento negativo dos setores de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, celulose, papel e produtos de papel, produtos alimentícios e máquinas e equipamentos. Em agosto deste ano, o recuo no Estado foi de 1,5%. Nos oito primeiros meses de 2017, no entanto, o setor mostra crescimento de 1,1%. Já no acumulado de 12 meses a indústria gaúcha registra alta de 0,4. 
Na média nacional, o setor industrial mostrou crescimento de 4,0% em relação a agosto de 2016. O Mato Grosso teve a expansão mais intensa, 15,8%, puxado pelo avanço do setor de produtos alimentícios. Também registraram taxas positivas mais acentuadas do que a média nacional o Pará (9,3%), Paraná (8,8%), Espírito Santo (7,8%), São Paulo (6,6%), Amazonas (5,3%), Santa Catarina (5,0%), Ceará (4,6%) e Bahia (4,6%). Os demais crescimentos ocorreram em Goiás (2,3%), Região Nordeste (1,7%), Minas Gerais (1,5%) e Pernambuco (0,3%).
Na direção oposta, além de Porto Alegre, houve perda no Rio de Janeiro (-1,8%). O parque fabril fluminense teve redução em coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis e indústrias extrativas.
Na leitura de agosto ante julho, a média da indústria nacional recuou 0,8%, com perdas em seis dos 14 locais pesquisados.
Com informações da Agência Estado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia