Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 08 de outubro de 2017. Atualizado às 22h30.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Desenvolvimento

Notícia da edição impressa de 09/10/2017. Alterada em 08/10 às 22h29min

Agenda 2020 finaliza balanço de avanços e retrocessos do Rio Grande do Sul em 11 áreas

Em 30 dias deverá estar concluído o balanço da Agenda 2020 sobre os avanços, retrocessos e estagnações registrados no Estado em 11 áreas de acompanhamento da ONG. O relatório, explica o diretor executivo do movimento, Valdir Bianchessi Júnior, analisa o que foi proposto pela entidade ao atual governador em 2014 e o que foi realizado.
"Os profissionais ligados ao movimento, todos voluntários, estão finalizando o cruzamento do que apresentamos como propostas aos dois candidatos que foram ao segundo turno em 2014, (José Ivo) Sartori e Tarso Genro, com o que foi realizado", explica Bianchessi.
De acordo com o executivo, entre os avanços estão a possibilidade de PPP (Parceria Público-Privada) para investimentos na Corsan e o contrato já firmado para o aeroporto Salgado Filho. O executivo, que é administrador e especialista em sustentabilidade, tem especial expectativa por mudanças com a parceria anunciada para tratamento de água e esgoto na Região Metropolitana.
"Enquanto a média de tratamento de água e esgoto no Brasil é de 40%, e as Nações Unidas recomendam no mínimo 75%, no Rio Grande do Sul esse índice é de apenas 22%. Também vale lembrar, que para cada R$ 1,00 investido no setor, são economizados R$ 4,00 em saúde", explica o executivo.
Os retrocessos, porém, alerta Bianchessi, devem ser marcantes em itens como investimento em infraestrutura, dada a atual crise enfrentada pelo Estado. Ele lembra que, assim que encerrarem os dados do passado, os voluntários da entidade já começarão a projetar o futuro. "Sobre esse balanço dos últimos quatro anos nós montamos as propostas para aqueles que serão eleitos em 2018. Além disso, também estamos começando um monitoramento e acompanhamento de dados dos 497 municípios gaúchos, o que deve ser lançado ainda neste ano", antecipa Bianchessi.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia